Domingo, o jogo Atlético x Fluminense terá um duelo particular entre ídolos da torcida rubro-negra. Paulo Baier e Washington entrarão em campo com uma motivação extra: a briga pela artilharia do Campeonato Brasileiro, na era dos pontos corridos. O Coração Valente tem 82 gols, contra 81 de Baier. O atacante tricolor detém ainda a marca de maior artilheiro de um Brasileiro, com 34 gols, marcados com a camisa do Furacão, em 2004.

Para o maestro atleticano, Paulo Baier, apesar de a briga pela artilharia ser entre ídolos, trata-se de uma disputa sadia, principalmente por ser contra um atacante da importância de Washington para a história do mesmo clube que hoje ele defende. Ele se vê em desvantagem. “Estamos duelando para ver quem é o maior artilheiro e ele tem uma facilidade maior porque é um finalizador e está ali para fazer gols. Eu tenho que me esforçar mais, mas é um duelo tranquilo, bacana e o Washington é um grande artilheiro. Tenho que ter respeito por ele”, disse o capitão rubro-negro.

Para Baier, mesmo a vitória do Atlético se sobrepondo em importância à sua marca pessoal, é reconfortante ver seu nome na história do futebol nacional. “Quem sabe esse é o jogo para alcançá-lo. É importante, valorizo isso, mas o mais importante é vencer e conseguir os três pontos. Lógico que se eu fizer o gol será melhor ainda, por que encosto nele. Mas o principal objetivo nosso é o grupo”, ressaltou Baier, que até 20 de agosto era o goleador isolado da era dos pontos corridos. Tanto é que foi homenageado com a camisa 80, pelos 80 gols que havia feito. Só que Washignton, que tinha 77 na época, marcou mais cinco de lá para cá, enquanto Baier só fez mais um – na vitória por 1 x 0 sobre o Internacional, dia 22 de setembro.

Não é apenas o recorde de gols que motiva Paulo Baier. O jogador também espera manter o alto nível para continuar no clube. “Ser ídolo não é fácil, ainda mais em um clube como o Atlético, que tem uma torcida forte, exigente, empolgante. Não é fácil, mas as coisas aconteceram ao natural. Estou muito feliz aqui, empolgado, e motivado para ficar mais tempo aqui. Não tem por que sair”, afirmou Paulo, que dos 81 gols na era dos pontos corridos, marcou 9 pelo Criciúma, 50 pelo Goiás, 10 pelo Palmeiras e 12 pelo Atlético. Já Washington, fez 34 pelo Atlético, 29 pelo Fluminense (2008 e 2010) e 19 pelo São Paulo (2009 e 2010).