A crise financeira mundial não vai acabar com a Fórmula 1, segundo o inglês Bernie Ecclestone, detentor dos direitos comerciais da categoria. O primeiro e mais duro golpe no Mundial foi dado nesta sexta-feira (5), com o anúncio de venda da equipe da Honda.

“Acho que a Fórmula 1 não está em uma crise maior do que as outras companhias. O mundo está em crise, mas não vai parar. Isso é certo, o mundo não vai parar”, disse o dirigente à emissora britânica BBC. Para ele, a saída passa pela redução de gastos das equipes, algo que já tem sido discutido.

“Todos estão trabalhando como loucos para reduzir a necessidade de gastar tanto para ser competitivo. Não tenho dúvidas de que teremos uma drástica redução dos gastos, algo que já tentamos há algum tempo”, afirmou.

A Honda deixou a Fórmula 1 porque o investimento anual – cerca de US$ 400 milhões (R$ 1 bilhão) – não condizia com os resultados da equipe. Com a crise, a montadora começou a fazer cortes, e decidiu deixar a principal categoria do automobilismo.