O Ecoestádio não será apenas o palco de mais um clássico entre Atlético e Paraná Clube. Ao que tudo indica, deverá continuar sendo a casa provisória do Atlético ao longo de toda a temporada de 2013, inclusive para os jogos do Campeonato Brasileiro. Por isso, em breve receberá um novo sistema de iluminação para abrigar partidas noturnas. A inauguração está prevista para 13 de fevereiro.

Os refletores estão em processo de instalação no Ecoestádio e os custos são bancados pela parceria entre J. Malucelli – o dono do estádio – e Atlético, que vem desde setembro de 2012. Na ocasião, foi assinado um contrato para que o Furacão mandasse os jogos da Série B e também do Campeonato Paranaense no local. Para isso, o Rubro-Negro teve que desembolsar R$ 500 mil para usar as dependências do Jotinha.

Segundo Joel Malucelli, presidente do Grupo J. Malucelli, a entrada deste dinheiro extra aos cofres do Jotinha, e a recente determinação da Federação Paranaense de Futebol (FPF), que exigirá, a partir de 2014, que os estádios tenham iluminação no Campeonato Estadual, fizeram com que o time do Barigui bancasse as novas instalações. “Tivemos uma oportunidade orçamentária para poder viabilizar o novo sistema de iluminação do Ecoestádio. O próximo passo é fazer uma arena no local. Era o que faltava para o nosso estádio, principalmente nos jogos realizados nos dias de semana. De tarde, as partidas são melancólicas e não atraem público”, disse Malucelli.

Este é um um indicativo de que o Atlético tende a usar o Ecoestádio no Brasileirão. Tanto que o presidente do Grupo J. Malucelli já deu o aval para que o local tenha sua capacidade ampliada para 15 mil pessoas – capacidade mínima exigida para a disputa da Série A. “Nós já disponibilizamos o estádio. Agora, eles (diretoria do Atlético) estão trabalhando junto com a CBF para conseguir a liberação”, disse Joel. Por jogo, o Ecoestadio tem um custo de R$ 40 mil ao Furacão.