O atacante Edílson é sempre um dos que passam com tranqüilidade pelo salão do segundo andar do hotel onde a seleção brasileira está concentrada. As atenções sempre estão voltadas para os astros, como Ronaldo, Rivaldo e Roberto Carlos, que em algumas ocasiões até evitam transitar pelo local onde os repórteres costuma ficar reunidos. Nesta terça-feira à noite (manhã no Brasil) foi diferente.

Depois do jantar, o jogador do Cruzeiro foi o centro das atenções, por causa da repentina escalação no time titular que enfrentará a Costa Rica na quinta-feira, na cidade de Suwon. ?O Felipão não me disse nada. Estou sabendo agora por vocês?, disse o atacante, quando deixava o restaurante e ia para o elevador junto de outros companheiros.

Scolari havia anunciado um pouco antes para imprensa que seria ele, e não Ricardinho, que iria entrar na equipe. ?O importante é entrar para ajudar o time. Nós trabalhamos para estar sempre pronto quando precisar?. Edílson está consciente que a vaga não é definitiva e que foi escalado em função do adversário, como definiu Scolari.

O jogador ganhou a posição no treino coletivo desta terça-feira, o último na cidade de Ulsan. Depois de marcar um gol para os reservas nos primeiros minutos, ele foi para o time principal faltando 15 minutos para o fim do trabalho.

Para muitos, apenas mais um opção que Felipão testaria no jogo, como aconteceu na partida anterior, contra a China. ?Naquele dia o resultado já estava definido, vencíamos por 4 a 0, e não deu pra fazer muita coisa. Agora vai ser diferente?.

Apesar de dizer que ficou sabendo apenas à noite, Edílson pode ter sido avisado ainda em campo por Scolari. Ao final do treinos coletivo, o jogador evitou a imprensa e seguiu diretos para os vestiários, se recusando a qualquer aproximação com os repórteres.