Com o empate por 0 a 0 contra o Internacional, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, o técnico Claudinei Oliveira deixou de acreditar na possibilidade de o Santos ainda entrar no G4 e obter vaga para a Copa Libertadores de 2014. O zagueiro Edu Dracena não precisou de tanto tempo. Bem antes ele sentiu que o time tem algumas virtudes e muitos defeitos, como a maioria dos participantes do Campeonato Brasileiro.

Após a derrota contra a Portuguesa, no estádio do Canindé, há três rodadas, o capitão jogou a toalha. E agora, em vez de pensar na vaga mesmo chegando em quinto ou sexto lugar, ele prefere admitir as falhas e aconselhar a diretoria a cuidar com carinho do planejamento para a temporada de 2014.

“O Santos está sendo mais coadjuvante do que ator principal. É preciso melhorar e não achar que só com o nome e do jeito que estamos jogando vamos conseguir voltar a disputar títulos. É preciso fazer um bom planejamento”, disse Edu Dracena.

Para o zagueiro, o time está indo até bem demais se for levado em conta a venda de Neymar para o Barcelona, a saída de titulares e a chegada de novos jogadores, além da demissão do treinador (Muricy Ramalho) no meio da temporada. “É difícil montar time dentro de um campeonato. Agora o melhor é levar como aprendizado o que aconteceu neste ano para não repetirmos os erros em 2014”.

Edu Dracena afirma que a oscilação do time, não conseguindo uma sequência de resultados positivos, não é exclusividade do Santos e está diretamente ligada com o perverso calendário do futebol brasileiro. “Esse é um dos problemas que o Bom Senso Futebol Clube aponta. O jogador não tem a pré-temporada, tempo para treinar, descansar, corrigir os erros e tudo isso acaba atrapalhando o espetáculo. É desumano ficar três meses jogando quarta e domingo. Os times acabam ficando igualados. Mas a culpa não é só disso”, reconheceu.

Embora não queira falar de posições de nomes, Edu Dracena diz que o Santos precisa se reforçar para o próximo ano. “É difícil falar quais são as peças necessárias, sobre jogadores e posições carentes, mas acredito que diretoria já está correndo trás. Deixa isso para o Zinho (gerente de futebol)”, completou.