Braz mantém o chutão como estratégia.

Após sucessivas reuniões e muitas cobranças, o técnico Edu Marangon procurou “levantar o astral” do grupo. Antes mesmo dos treinos táticos, antecipou o time do Paraná Clube para o jogo do próximo sábado, frente à Ponte Preta, na Vila Belmiro. O treinador decidiu não alterar a estrutura tática aplicada no clássico e a única mudança ocorre no meio-de-campo. Fernando Miguel, suspenso, será substituído por Pierre.

A confirmação ocorreu logo após o término do julgamento de Pierre, no final da tarde. O volante foi apenas multado pela expulsão no jogo contra o Bahia. “Tinha certeza que não seria punido com rigor. Aproveitei estes últimos dias para treinar ainda mais e estou em plena forma para este jogo”, avisou Pierre. O jogador aprova o esquema com três zagueiros. “Desta forma, terei mais liberdade para criar”, explicou.

Edu Marangon admite que a deficiência do time nas bolas alçadas para a sua área tirou seu sono. “O duro, é que treinamos muito essas jogadas. Na semana passada, houve jogador que pediu para sair mais cedo, pois já estava com a cabeça doendo”, revelou. O treinador sabe que o problema é recorrente, pois na Bahia o Paraná cometera os mesmos deslizes. “Só há um jeito: treinar, treinar e treinar”.

O treinador não individualizou as críticas. “Quando o time ganha, todos ganham. O mesmo deve ocorrer na derrota. Houve uma sucessão de falhas que culminaram, por exemplo, no terceiro gol do Coritiba”, disse. Marangon, mesmo tendo visto a imagem do segundo gol do rival onde a tevê comprovou que Lima estava em impedimento preferiu não polemizar. “Agora, já foi”. Edu ficou satisfeito com a reação do grupo, onde jogadores assumiram erros. “É o primeiro passo para que possamos corrigir o posicionamento desta defesa”, comentou.

Sob sua análise, não fossem os deslizes nas jogadas aéreas, seu time teria tido um comportamento exemplar no clássico. “Sempre há o que corrigir, mas a aplicação tática da equipe foi muito boa. Então, a partir daí é que vamos trabalhar visando o próximo jogo”, avisou. Fábio Braz principal alvo dos críticos será mantido na zaga e o Tricolor voltará a jogar num 3-5-2 diante da Ponte Preta.

Braz promete mais atenção

“As críticas só me fortalecem.” Foi desta forma que o zagueiro Fábio Braz reagiu ao ser “condenado” por muitos pela derrota do último fim-de-semana. Já tendo a certeza de que será mantido no time, o jogador disse estar tranqüilo e consciente do que fez de bom e de ruim no clássico. “Nunca fico plenamente satisfeito, pois sempre é possível melhorar. É isso que vou buscar nesta próxima partida.”

Fábio Braz foi o personagem central do terceiro gol que o time sofreu, aos 41? do 2.º tempo. O zagueiro, ao ver a bola caindo sobre a sua área, preferiu “arrepiar”. Deu um bico para o alto e acha que aí vacilou. “Tive a certeza de que a bola iria para fora, mas ela fez uma curva muito estranha”, disse. “A maioria dos jogadores do Coritiba também já havia dado as costas para o lance.”

O zagueiro disse que pressentiu a presença de um adversário ao seu lado. Como ninguém disse nada, deu o chutão. “Só tem um jeito: trabalhar forte e ter mais atenção na seqüência”, avisou. Fábio Braz acredita que não sentiu a falta de ritmo, pois conseguiu acompanhar durante todo o jogo o centroavante Marcel. Neste lance, ele bateu boca com Flávio e Ageu entrou na discussão. “Não foi briga, só uma conversa, no calor da partida, para tentar acertar a casa.”