O atacante Emerson tem sido o grande destaque do Corinthians nesta reta final do Campeonato Brasileiro. Com boas atuações, o jogador é um dos responsáveis pela permanência do clube na primeira colocação, com 61 pontos. No que depender de seu desejo, ele deve seguir demonstrando defendendo as cores do clube de Parque São Jorge durante um bom tempo.

“Tenho mais dois anos de contrato. Estou adorando São Paulo, os funcionários do clube, diretoria. Me receberam e me trataram com carinho. Espero ficar, não penso em ir embora. Recebi uma proposta muito boa, mas o presidente fez algo muito bom por mim, em um momento difícil, junto com o Tite. Espero ficar, independente de ser campeão ou não”, garantiu o jogador, falando à TV Bandeirantes.

Emerson chegou ao Corinthians em maio, vindo do Fluminense, de onde saiu pelas portas dos fundos depois de cantar uma música do rival Flamengo numa viagem de ônibus com o grupo. Há dois meses, ele recebeu proposta para voltar ao mundo árabe, mas decidiu ficar e não se arrepende. Acha que pode ser campeão brasileiro pelo terceiro ano seguido.

“Estou trabalhando, sou esforçado e dedicado, corro atrás. Não sou craque, mas dou minha parcela. Se cada um contribuir, o Corinthians chega longe. Não tenho intenção de ser ídolo, mas sim de ser campeão. O torcedor quer e precisa de um título importante como esse”, comentou Emerson.

O jogador também falou sobre as diferenças entre os elencos que levaram Flamengo e Fluminense aos títulos brasileiros nos dois últimos anos e sobre o que tenta dar o pentacampeonato ao Corinthians. “No Flamengo tinha um grupo bom, o Andrade assumiu em um momento difícil e os jogadores abraçaram. O ano passado, no Fluminense, tinha o Muricy que fez um trabalho fantástico. No Corinthians eu vejo um grupo fechado, com diretoria presente. Um grupo que sabe o que quer, das dificuldades, que não é o melhor do Brasil, mas acredita. Então pode chegar pela amizade, bom relacionamento e se faz diferente por causa disso.”

Para que o Corinthians chegue ao título, Emerson recomenda que o grupo pense jogo a jogo e ignore o resultado dos rivais. “Ontem (quarta) foi o Atlético-PR, quarta é o Ceará. Esquecemos do outro jogos, do Vasco. Queremos saber da nossa parte, não podemos tirar o foco do que devemos fazer. Tem que ser jogo a jogo. O importante é pensar no que podemos fazer”, opinou.

Na quarta-feira, o Corinthians joga em Fortaleza contra o Ceará, quarto adversário seguido que ocupa a zona de rebaixamento. Até o fim da competição, o time paulista ainda joga contra Atlético-MG (em casa), Figueirense (fora) e Palmeiras (em casa).