O Paraná Clube terá que fazer valer todo o desempenho que teve até aqui da Vila Capanema para avançar às semifinais do Campeonato Paranaense. Isto porque o Atlético levou a melhor no primeiro clássico das quartas de final, na tarde de domingo (2), na Arena da Baixada, venceu por 1×0 e precisa agora de apenas um empate para ficar entre os quatro melhores times do Estadual. A semana para o time paranista será toda decisiva, já que na quarta-feira (5), também no Durival Britto, encara o Asa, valendo a vaga na quarta fase da Copa do Brasil.

No duelo que teve algumas declarações polêmicas, o Paraná provou, em campo, sua capacidade de jogar de maneira organizada. Por isso, o Atlético, apesar de tomar a iniciativa nos primeiros minutos de jogo, teve muitas dificuldades para criar alguma coisa no primeiro tempo. O Furacão, apesar de jogar no campo paranista, não tinha capacidade de finalização para assustar o goleiro Léo.

Melhor, então, para o Paraná. Robson, logo no começo, aproveitou a falha do goleiro Weverton e quase marcou. A marcação intensa do time paranista dificultava a vida do Atlético. O lado esquerdo do Furacão praticamente não existiu. Sidcley mais uma vez pouco produziu, enquanto Crysan viveu mais uma tarde infeliz e rapidamente passou a ser contestado pelo torcedor rubro-negro.

Clássico foi bastante equilibrado na Arena da Baixada. Foto: Albari Rosa
Clássico foi bastante equilibrado na Arena da Baixada. Foto: Albari Rosa

O jogo, então, ficou a caráter para o Tricolor. Mas o Atlético, nos minutos finais do primeiro tempo, resolveu jogar. Aos 46, Rossetto arriscou de fora da área e Léo fez grande defesa. O escanteio foi cobrado pelo próprio meia atleticano e Eduardo da Silva aproveitou a falha da defesa para abrir o placar no clássico.

O gol modificou todo o contexto do jogo. O Paraná precisou sair um pouco mais. O Atlético, então, com Felipe Gedoz na vaga de Crysan, melhorou um pouco seu poder de criação. O camisa 10, inclusive, criou a primeira grande chance da etapa inicial, mas Léo fez grande defesa.

Depois da entrada do meia Guilherme Biteco, o Tricolor melhorou em campo e passou a atuar mais no campo ofensivo. O meia Alex Santana passou a se sobressair na partida. O camisa 8 encostou mais no ataque e começou a dificultar o setor de marcação do Furacão. Ele, inclusive, em dois chutes de fora da área, assustou Weverton e por pouco não empatou o clássico.

O time paranista, quando ensaiava uma pressão, perdeu o atacante Robson, expulso. A partir daí, o Rubro-Negro até passou a ocupar mais espaços no ataque, mas sem nenhuma força ofensiva capaz de assustar a meta de Léo. O Paraná, apesar do revés, provou que estava satisfeito com o placar mínimo e agora provará a força que tem na Vila Capanema para avançar para a semifinal do Campeonato Paranaense.