Envolvido em uma suposta manipulação de futebol, o Clube Andraus Brasil, time paranaense sediado em Campo Largo, apresenta, em campo, motivos ainda maiores para que estas suspeitas aumentem, uma vez que a equipe vem sofrendo goleadas e derrotas com gols nos últimos minutos, o que chamam a atenção, principalmente pelo fato de que, quanto mais tarde um time é vazado, maior é o pagamento nos sites de apostas.

A reportagem analisou os últimos nove jogos do time profissional do Andraus que foram transmitidos em tempo real nos sites de apostas, entre 2017 e 2018. Todos eles foram disputados pela Segunda Divisão do Paranaense, competição organizada pela Federação Paranaense de Futebol (FPF). Nestas partidas, o Andraus perdeu sete jogos, empatou dois e venceu um.

Os resultados não impressionam, mas a forma como os resultados foram construídos representam um prato cheio para quem apostou em cenários ‘improváveis’ durante os jogos, já que o pagamento feito pelos sites nestes casos é muito maior.

LEIA TAMBÉM: Dagoberto está de volta ao futebol paranaense

Nos únicos dois empates, o Andraus sofreu o gol no último lance da partida. Ambos os confrontos foram no estádio Atílio Gionédis, em Campo Largo, pela Segundona do ano passado. Contra o Cascavel (1×1, em 12 de abril de 2017), a reportagem acompanhou in loco o duelo. O Andraus teve um jogador expulso aos 43 minutos do segundo tempo, dois minutos após o mesmo ter saído do banco de reservas. Aos 50, o Cascavel empatou com um chute da entrada da área. E quem apostou em um gol do Cascavel nos minutos finais ganhou 15 vezes o valor apostado.

Já diante da Portuguesa Londrinense (1×1, em 9 de abril de 2017), o Andraus cometeu um pênalti aos 50 minutos do segundo tempo e também viu o adversário empatar. Quem apostou em um gol contra o Andraus após os 45 da etapa final, embolsou 23 vezes o valor da aposta.

As derrotas chamam a atenção pela quantidade de gols sofridos pelo Andraus. Contra o Iraty (5×2, em 29 de março de 2017), o primeiro tempo teve uma chuva de gols e o Iraty foi às redes três vezes em sete minutos antes do intervalo. Os gols saíram em sequência, aos 37, 38 e 43. Já na etapa complementar, o Andraus novamente foi vazado no final, aos 45. Diante de Maringá (28 de maio de 2017), PSTC (11 de março de 2018) e Iraty (18 de março 2018), a equipe sofreu goleadas em casa por 4×0, 4×0 e 3×0, respectivamente.

Até as derrotas comuns tiveram uma situação propícia para a ‘zebra’. Na Segunda Divisão do Paranaense de 2018, o Andraus perdeu para o Batel por 1×0 (14 de fevereiro de 2018). O gol marcado pelos visitantes foi no último minuto do primeiro tempo. Já frente ao Independente São-joseense (18 de fevereiro de 2018), o Andraus vencia por 1×0, mas sofreu a virada no segundo tempo e perdeu por 2×1, com um gol de pênalti aos 42 da etapa final.

Como funciona a manipulação no futebol?

Ouvimos o ex-agente da Interpol e atual diretor de desenvolvimento de negócios com foco em integridade esportiva da Sportradar, Tiago Horta Barbosa. A Sportradar é uma empresa internacional que trabalha com coleta de estatísticas e presta serviços para entidades esportivas, entre elas a Fifa e a Conmebol, na investigação de irregularidades no âmbito das apostas.

“Em um jogo de futebol, à medida que o tempo vai passando, menores são as chances de saírem os gols. Portanto, as Odds (probabilidades) variam conforme o tempo. Quanto menos tempo você tem para jogar, menos a chance de fazer um gol e maior será o valor pago pela casa de apostas. Os gols no final ou a alta quantidade de gols em um curto espaço de tempo, obviamente terão altos valores pagos pela casa de aposta”, explicou Barbosa.

“É muito mais fácil você jogar para perder do que jogar para ganhar na manipulação. Por isso é o câncer do futebol. É pior do que o doping, quando o atleta adultera as regras para melhorar a performance e vencer. No caso da manipulação, você está atacando o fator de sobrevivência do esporte, que é a emoção”, complementou.

O especialista também explica porque as manipulações acontecem em divisões menores. “É mais fácil para os manipuladores agirem em campeonatos que não tem muita transmissão. Além do mais, é mais fácil comprar jogadores que ganham menos, que jogam em clubes pequenos. Pois os valores das apostas não precisam ser tão altos. Geralmente a manipulação é feita com os jogadores de defesa”, apontou o diretor da Sports Radar.

Suspeitas, resposta do Andraus e investigação da FPF

Nesto ano, o técnico do Andraus em determinados jogos da Segunda Divisão do Paranaense foi Fred Nelson Marques. Ele também é o presidente em exercício indicado pelo dono do clube, Nadim Andraus Filho, que foi suspenso pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). Fred é investigado em Santa Catarina por ter tentar comprar o goleiro Neto Volpi, no ano passado, quando o atleta defendia o Inter de Lages. O jogador alega ter recebido uma oferta de R$ 15 mil para levar dois gols no duelo contra o Joinville, no Campeonato Catarinense.

Já o empresário Nadim Andraus Filho, foi apontado como suspeito de manipulação de resultados por apostar na derrota do próprio time, no dia 1º de novembro de 2017. De acordo com reportagem do Esporte Espetacular, da Rede Globo, o dirigente apostou contra o Andraus no Paranaense sub-19. O jogo terminou 4×1 para a Portuguesa Londrinense.

Em nota oficial, Nadim negou as acusações e disse ser vítima de perseguição. “A denúncia sem fundamento algum, que ninguém sabe de onde partiu, não traz provas, só apresenta acusações jogadas ao vento. Uma reportagem inteira baseada na desconfiança de um site que promove apostas ilegais no Brasil”, diz o trecho da nota.

Já a Federação Paranaense de Futebol, via assessoria de imprensa, disse que o caso está sendo analisado pelo departamento jurídico da entidade.