Neymar divulgou uma nota de esclarecimento em seu site oficial, no final da noite desta quinta-feira, na qual afirma estranhar, além de considerar irônica, os pedidos de desculpas exigidos pela Federação Escocesa de Futebol por parte dele e da CBF por supostas acusações de atos racistas durante o amistoso entre Brasil e Escócia, no Emirates Stadium, em Londres, domingo passado.

Embora admita ter reclamado do ato preconceituoso por causa da banana jogada no campo durante o confronto, o atacante do Santos alega que não acusou torcedor ou torcedores de qualquer nacionalidade. Neymar afirma não ver motivo para se retratar e que, pelo ocorrido durante a partida, os jogadores é que deveriam fazer um pedido formal exigindo desculpas.

“Fui surpreendido, nesta quinta-feira, por uma carta da ‘Scottish FA’, a Federação Escocesa de Futebol, na qual exige um pedido de desculpas meu ou da Confederação Brasileira de Futebol no que diz respeito ao incidente envolvendo uma banana atirada em direção ao campo durante a realização do amistoso Brasil x Escócia no último domingo, 27 de março”, disse Neymar.

Ao exigir o pedido de desculpas, o presidente da Federação Escocesa de Futebol, Stewart Regan, fala que as “acusações” feitas após a partida colocam em dúvida a reputação de “bem humorados e respeitosos expectadores” dos torcedores escoceses.

Neymar, porém, rebateu: “Em momento algum, mesmo no final da partida, ainda envolvido pela emoção de marcar os dois gols que definiram o placar do jogo, acusei

qualquer pessoa, ou qualquer grupo de torcedores, de qualquer nacionalidade, de ter cometido tal ato. Todas as entrevistas que concedi ao final da partida, em português, estão disponíveis para consulta nas empresas de comunicação que cobriram o amistoso. Disse, sim, lamentar o fato, pois condeno toda e qualquer ação preconceituosa, mas, reitero, em momento algum acusei quem quer que fosse”.

Após o duelo diante da Escócia, o atacante brasileiro deu a seguinte declaração: “Esse clima do racismo é totalmente triste. A gente sai do nosso País, vem jogar aqui e acontece isso. Prefiro nem tocar no assunto, para não virar uma bola de neve”.

Na nota que divulgou na noite de quinta, Neymar classificou a exigência da Federação Escocesa “um tanto quanto irônica, uma vez que, caso tenha mesmo ocorrido uma ação preconceituosa, nós, atletas, é quem deveríamos ‘exigir’ um pedido formal de desculpas”. Em seguida, o jogador prometeu não falar mais sobre este assunto.

“Por saber a dificuldade de identificar o suposto ‘agressor’, caracterizar o preconceito e pela minha felicidade, achei por bem dar o assunto por encerrado, o que pode ser facilmente percebido em todas as entrevistas concedidas por mim após o jogo, inclusive ontem (quarta-feira), no CT Rei Pelé, em Santos”, disse.