Mais do que o ponto conquistado, o empate por 1 x 1 com o Ceará, sábado, no Castelão, fez o Paraná recuperar a auto-estima e a confiança. Depois de três derrotas consecutivas, tendo duas na Vila Capanema, o time voltou a pontuar e a ter uma boa atuação, após partidas apáticas.

Segundo o técnico Dado Cavalcanti, o primeiro objetivo do Tricolor em Fortaleza era justamente recuperar essa garra e disposição. Tanto que a escalação foi baseada mais nesta vontade do que em uma questão tática. “Nosso primeiro objetivo do jogo era esse. A escolha dos jogadores se partiu do ponto de vista dos brios, daqueles que demonstravam em treinamentos, que estavam insatisfeitos nos vestiários. Depois de escolher os jogadores, eu encaixei no sistema, da postura em campo. Tivemos êxito e o mais importante foi o ponto levado”, afirmou o treinador.

Mudança de atitude que pôde se ver em campo facilmente. Contra o até então dono da melhor campanha no segundo turno, o Paraná jogou de igual para igual. Tanto que abriu o placar com 14 minutos, com JJ Morales, que tocou na saída do goleiro. E ainda teve oportunidades de amplicar o marcador, mas acabou desperdiçando.

Mas, aos 31, Magno Alves aproveitou o rebote, após boa defesa de Luis Carlos, e deixou tudo igual no Castelão. No segundo tempo, os donos da casa cresceram e partiram para cima em busca da virada. Mas, ao contrário do que aconteceu no primeiro tempo da goleada por 4 x 1 sofrida para o América-RN, uma rodada antes, a defesa paranista soube se segurar, principalmente o goleiro Luis Carlos, em tarde inspirada. “Contra o América-RN fizemos um primeiro tempo horrível, muito abaixo da nossa média. Agora a iniciativa, a postura e a entrega foram diferentes. Por isso conseguimos fazer um bom jogo”, apontou Dado.

Na tabela, o resultado também serve como motivador. O empate não colocou o time paranista novamente no G4, mas uma derrota faria o Ceará ultrapassar a equipe na classificação.