A torcida do Santos elegeu o culpado pela derrota por 1 a 0 para o Fluminense na noite de quarta-feira na Vila Belmiro: Enderson Moreira. O tropeço foi o segundo do time em casa no Campeonato Brasileiro – o outro foi diante do Corinthians, por 1 a 0, no primeiro turno. O treinador ouviu as primeiras vaias ao tirar o artilheiro do time, Gabriel, para a entrada de Leandro Damião. E foi xingado de burro depois do jogo, a caminho dos vestiários, por boa parte dos 6.178 torcedores que compareceram ao estádio na esperança de assistir a mais uma boa atuação do trio ofensivo que vinha de marcar oito gols em dois jogos, diante de Botafogo (cinco) e Palmeiras (três).

“Quando perde, sou eu culpado, como eu seria elogiado se o Santos ganhasse com um gol de (Leandro) Damião. Foi uma derrota dura porque queríamos encostar no G-4”, defendeu-se Enderson. Ao ser questionado se o certo não teria sido tirar Rildo antes de Gabriel, o treinador justificou. “Gabriel é um jogador de extrema qualidade, mas perdeu duas grandes oportunidades de gol no primeiro tempo. Naquele momento, tirei o Gabriel como poderia tirar outros dois ou três que também não estavam bem. Inclusive Robinho, que não pôde fazer a pré-temporada. É preciso acabar com essa história de que ‘esse’ não pode ser substituído. Perdemos alguns jogadores e outros estão desgastados em razão dos dois jogos por semana.”

Robinho, que começou bem o jogo mas caiu de produção ainda no meio do primeiro tempo, procurou tirar a importância dos protestos dos torcedores. “Infelizmente o time perdeu e todos estão chateados. No primeiro tempo, fomos bem, tivemos várias oportunidades, mas não fizemos o gol. E no segundo tempo jogamos abaixo do nosso rendimento normal”, disse Robinho, que acha que o Santos não deve desistir do Campeonato Brasileiro enquanto houver chance matemática de classificação para a Libertadores.

O experiente Aranha procurou não se estender ao responder sobre os protestos da torcida conta Enderson. “Nesses momentos em que a torcida se manifesta, o melhor é trabalhar e ficar em silêncio”, disse.

O capitão Edu Dracena voltou a cutucar o preciosismo dos atacantes. “Foram dois tempos distintos. No primeiro o time foi bem, mas faltou a qualidade para fazer o gol. Depois o time cansou um pouco porque já está desgastado, em razão dos jogos quinta e domingo. O Fluminense jogou no sábado e teve um dia a mais para a recuperação que o Santos (enfrentou o Palmeiras domingo). Não é desculpa, mas isso faz diferença”.

Para Dracena, o time também sentiu bastante a ausência de Lucas Lima em razão de o elenco não ter outro jogador com características para armar as jogadas e organizar o time. Ele também lamentou a substituição de Geuvânio, por contusão, aos 33 minutos do primeiro tempo. “São jogadores (Lucas Lima e Geuvânio) que estão encaixados na equipe, de qualidade. Mas não podemos desanimar porque há muita coisa pela frente”.

Enderson adiantou que deve poupar os titulares mais desgastados no jogo de sábado às 18h30 contra a Chapecoense, em Chapecó, Santa Catarina, pela 31ª rodada do Brasileiro. Além de Geuvânio, que sofreu lesão muscular, e Alison, Lucas Lima, que estão no departamento médico, Arouca, Cicinho, Edu Dracena e Robinho estão entre os que devem ficar fora do jogo de sábado.