?Não pediram um matador? Taí.? Foi rápida – e bem coloquial – a apresentação de Renaldo feita pelo presidente do Coritiba, Giovani Gionédis.

O centroavante enfim foi contratado pelo clube, após meses de tentativas e negativas. No final das contas, o Coxa arcou com dois meses de salários do atacante no Paraná e pagou um valor pela rescisão de contrato, acertando com o ?matador? até o final de 2006.

A contratação de Renaldo foi efetivada na noite de segunda-feira. Após a reunião da comissão técnica, pela manhã, quando o nome do jogador foi citado por Cuca, a diretoria coxa partiu para a investida definitiva. Renaldo, que desejava deixar o Tricolor, novamente aceitou a proposta coxa – como fizera em meados do ano passado e antes do início do Brasileiro. ?Já tinha aceitado, como fiz em outras oportunidades. Acho que meu período no Paraná tinha se encerrado. E agora estou satisfeito em poder defender o Coxa?, confessa ele, que completa o ciclo no futebol paranaense. ?É legal ter atuado pelos três clubes, mas o Atlético e o Paraná já passaram. Meu assunto agora é o Coritiba?, diz.

A segunda passagem pelo Tricolor foi desgastante para Renaldo. ?Eu cheguei com pouco tempo para me preparar e tinha a responsabilidade de marcar. Mas as coisas não eram as mesmas, não havia a confiança no meu trabalho. Tudo na vida tem começo, meio e fim?, resume. No acerto, que não foi divulgado, o Coritiba se comprometeu a pagar dois salários (totalizando R$ 80 mil) e ainda pagar a multa rescisória, valor que seria de R$ 200 mil, além da cessão do Couto Pereira para o Paraná em algumas partidas, neste ano e no ano que vem – o primeiro seria contra o Flamengo, pelo Brasileiro. O Coxa apresentou uma lista de jogadores, mas nenhum nome interessou ao Tricolor. Em contrapartida, o Paraná pediu dois atletas do Cori, que não foram liberados, e ficou com um ?crédito? para a próxima temporada.

Aos 35 anos, Renaldo chega como a grande esperança de gols de uma equipe carente deles. ?Sei da minha responsabilidade e não vou fugir dela. Mas tenho certeza que o Coritiba tem grandes jogadores. Não vim para ser uma estrela, e sim para ser parte de uma constelação?, comenta Renaldo, que reencontra os ex-companheiros de Paraná Marquinhos e Caio. ?Fico contente em voltar a jogar com eles, mas há outros ótimos jogadores no clube. Aqui a gente tem estrutura para se preparar e pensar só no futebol.?

Outro ?velho amigo? é Cuca, que deu o aval decisivo à contratação. ?Ele é muito bom treinador, o Coritiba está bem servido?, afirma. ?Acho que foi contratado o melhor jogador para este momento. Ninguém pode contestar a qualidade dele. Vai nos ajudar muito?, comemora o treinador coxa, que deve ter o jogador à disposição na partida contra o Atlético-MG, na próxima quarta.

Renaldo viu, logo em sua primeira tarde no Coritiba, que terá todo o apoio possível. ?Ele é nosso pangaré puro-sangue?, brinca Gionédis.

Coxa tenta manter invencibilidade

Nem parece que o Coritiba enfrenta hoje o vice-líder do Brasileiro. E nem parece que é o Corinthians, e que a partida está marcada para as 20h30, no Pacaembu. É tanta notícia que vem dos bastidores – Rafinha que vai (ou não vai), Renaldo que vem, que o jogo desta noite foi quase deixado em segundo plano. Quem mais gostou desta história foi o técnico Cuca, que teve a tranqüilidade necessária para ?segurar? o elenco e buscar mais pontos fora de casa.

Após o empate com o Brasiliense, o que era apenas a crítica pontual da torcida se ?institucionalizou?. O presidente Giovani Gionédis reclamou publicamente do elenco – e, por mais que as palavras tenham sido fortes, ninguém reclamou. ?A posição dele é coerente. Ele sempre é assim, limpo e claro em suas declarações?, comenta Cuca. ?Ele tem razão. Nós não conseguimos os resultados em campo, e ele tem todo o direito de cobrar a gente?, completa o goleiro Vizzotto.

Só que as críticas e a pressão se dissiparam em dois dias. Primeiro, pelo pouco tempo entre as partidas. ?Nem dá para ficar chorando?, resume o técnico alviverde. Segundo, pela avalanche de notícias – o anúncio da busca de um centroavante, as especulações da segunda, a contratação de Renaldo ontem e ainda a indefinição quanto à ida de Rafinha para o Schalke 04. E também pela atitude da comissão técnica, que mais uma vez blindou os jogadores. ?Nós temos que ser cobrados, mas ao mesmo tempo é necessário calma para voltarmos a conseguir resultados positivos?, afirma o meia Marquinhos, que volta ao time após cumprir suspensão automática na partida contra o Brasiliense.

É esta a posição do grupo -foram válidas as críticas, mas agora é o momento de responder em campo. ?Temos a chance de trazer um ótimo resultado, contra uma das melhores equipes do País?, avisa o lateral-esquerdo Rubens Júnior, outro que volta à equipe. ?É um jogo complicado, mas todos querem estar em campo em um dia desses?, reconhece Cuca.

E ainda mais se conseguir um resultado positivo, que sirva para reforçar a série sem derrotas da equipe. ?Nós tivemos uma vitória e três empates. Ganhando do Corinthians, passamos para a quinta partida de invencibilidade. Seria um fato muito bom, pode ser a nossa arrancada?, prevê Cuca.

CAMPEONATO BRASILEIRO
1º Turno – 17ª Rodada
Em campo
Local: Pacaembu (São Paulo-SP)
Horário: 20h30
Árbitro: Alício Pena Júnior (FIFA-MG)
Assistentes: Helberth Costa Andrade (MG) e Marco Antônio Martins (MG)
TV: NET, Premiere Esportes, pay-per-view, canal 76, tel.: 4004-7777

CORINTHIANS X CORITIBA

Corinthians
Fábio Costa; Coelho, Sebá Dominguez, Betão e Gustavo Nery; Mascherano, Marcelo Mattos, Roger e Rosinei; Tevez e Jô. Técnico: Márcio Bittencourt

Coritiba
Vizzotto; Rafinha, Vágner, Alexandre Luz e Rubens Júnior; Márcio Egídio, Luís Carlos Capixaba, Jackson e Marquinhos; Caio e Alexandre. Técnico: Cuca