Arnaldo Alves/News WE
Popó e Cacá Bueno (o líder da temporada) pararam o trânsito.

Começam hoje os treinos da principal categoria do Campeonato Brasileiro de Stock Car, a V8. A classificação está marcada para amanhã. E a tendência da prova de domingo, às 13h, no Autódromo Internacional de Curitiba, é de extremo equilíbrio – equipes e pilotos conhecem bem o circuito (até porque neste ano já houve prova no AIC) e cada vez mais os carros estão próximos. A marca expressiva de Londrina, quando 35 carros fecharam o treino classificatório no mesmo segundo, pode ser superada neste final de semana.

A situação vista no Autódromo Ayrton Senna surpreendeu os próprios pilotos. ?Foi uma coisa incrível. Um equilíbrio que dificilmente se repetiria, mas que é normal na Stock Car?, comenta Popó Bueno. ?É isso que faz o público ir às corridas e torcer cada vez mais. A torcida quer disputas, carros correndo juntos e muita disputa pela liderança?, afirma Duda Pamplona. ?Estamos com quarenta carros no grid, não será surpresa se todos andarem no mesmo segundo?, completa Duda.

Mas há alguém ?sobrando? na categoria. Cacá Bueno venceu quatro das cinco provas já realizadas (inclusive a primeira em Curitiba), e vê na estrutura de sua equipe o segredo da liderança – com 100 pontos, ele é o único já garantido no ?playoff? decisivo. ?É um planejamento que vem do ano passado, em uma equipe que já sabe como fazer as coisas. Tudo é feito para facilitar a nossa vida na pista, desde os diretores da equipe até o patrocinador?, comenta. ?Mas, apesar de ele ter vencido quatro etapas, a diferença nunca foi grande?, contesta Popó, em tom amistoso – afinal, são irmãos.

A diferença das provas anteriores para este final de semana é que todos sabem que uma boa colocação no AIC pode ser decisiva para garantir uma das nove vagas abertas no playoff. ?Todo mundo vai querer estar entre os primeiros, é muito importante?, diz Duda Pamplona. ?Com a introdução da regra dos playoffs na Stock Car, vamos para a pista nesse momento com uma visão diferente sobre o campeonato?, concorda Ricardo Maurício.

Além disso, há o conhecimento geral das equipes do Autódromo Raul Boesel – para a equipe de Thiago Marques e Luciano Burti, melhor ainda. ?A vantagem fica por conta da motivação extra da torcida e da proximidade com nossa sede. Qualquer coisa que precisarmos é só andar um quilômetro que já estamos na oficina?, brinca Thiago.

Por sinal, empolgação é que não falta para os pilotos neste final de semana. ?Tivemos alguns problemas de acerto neste início de campeonato, mas o carro melhorou bastante nas duas últimas provas. A tendência é que essa evolução prossiga em Curitiba?, avisa Giuliano Losacco.

Treinos

Ontem as categorias Light e Júnior foram para a pista nos primeiros treinos – os testes foram antecipados para que a TC 2000, categoria de turismo da Argentina, pudesse treinar hoje. Na Light, o melhor tempo foi de Daniel Landi, com 1min27s107. Na Stock Jr., o mais rápido da sexta foi Thiago Riberi, com 1min39s731.

Homenagem e carreata na Boca

Enquanto os pilotos da Stock Car Light e Stock Jr. iam para a pista no Autódromo Raul Boesel, os ?botas? da principal categoria, a V8, tinham um dia agitado, com homenagens, carreatas e convidadas especiais no AIC. E o destaque do dia acabou sendo um veterano piloto, um dos pioneiros do automobilismo no Paraná.

Altair Barranco, hoje empresário e dirigente do Paraná Clube, é uma das ?lendas? da velocidade no Estado. ?É emocionante poder encontrar figuras daquela era romântica, gente que gostava mesmo de pilotar, e que abriu o caminho para todos nós?, contou Duda Pamplona, que homenageou Barranco em um almoço num restaurante do centro de Curitiba.

Foi um presente para Altair Barranco, que fez história no Estado e no Brasil com suas carreteras, sempre com o número 45. ?É ótimo ser lembrado, ainda mais desta maneira tão carinhosa?, comentou o empresário, que recebeu de Pamplona um quadro com duas fotos – uma de Barranco subindo a Estrada da Graciosa, outra de Duda na pista com o carro da Stock V8.

No autódromo, Giuliano Losacco recebeu Daiane dos Santos, Daniele Hypólito, Camila Comin e Roberta Monari para uma volta em alta velocidade. Além de gostarem da experiência, as ginastas da seleção brasileira (que treina em Curitiba) viraram as estrelas da tarde. ?É impressionante. Parece que ele não vai frear nunca. A curva vem chegando e nada de a velocidade diminuir?, disse Daniele.

E os irmãos Cacá e Popó Bueno comandaram uma carreata que saiu da Praça das Nações e seguiu até a Boca Maldita, onde os pilotos ficaram quase uma hora dando autógrafos. ?Fizemos uma fuzarca?, brincou Popó. ?Foi bastante animado, o público nas ruas e na Boca Maldita foi muito simpático?, completou. Eles chegaram a dividir os microfones com os já conhecidos músicos bolivianos que ficam na Rua XV de Novembro. Um dos bolivianos acabou fazendo uma piada involuntária ao querer promover a corrida. ?Compareçam à Stock Car, domingo, no hipódromo?, disse, para rapidamente ser corrigido.