O leilão da sede da Federação Paranaense de Futebol, por ora marcado para o dia 9 de março, não é a única preocupação da entidade. O Pinheirão também deve ir a leilão novamente nos próximos dias. Inicialmente, o estádio seria leiloado em março, mas a entidade ganhou alguns dias a mais com a aceitação do pedido de impugnação de valores do lance inicial concedido pelo juiz Fabiano Bley Franco da 2.ª Vara de Execuções Fiscais de Curitiba. A Federação conseguiu nova avaliação do imóvel e ainda não há data definida para que vá a leilão.

A diretoria de secretaria da Vara de Execuções, Nancy Hirata, bem como a FPF, não divulgou os valores que foram indicados para lance inicial. No entanto, em despacho assinado pelo juiz Fabiano no dia 17 de janeiro, a FPF pedia que o Pinheirão fosse avaliado em, no mínimo, R$ 66.635 milhões, números utilizados no ano passado.

No mesmo despacho, a Federação teve negados os pedidos de concessão de assistência judiciária gratuita e de redirecionamento do ex-presidente Onaireves Moura como depositário, e não do atual mandatário Hélio Cury.

Em 2011, a entidade conseguiu evitar que no segundo leilão o estádio fosse arrematado por R$ 33 milhões, poucas horas antes do início dos lances. Com empréstimos das federações de futebol do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais, conseguiu pagar parte da dívida e parcelar o restante para evitar o leilão.