O meia Éverton já não é mais jogador do Paraná Clube.

A Traffic adquiriu há alguns dias os 15% dos direitos econômicos que o clube ainda detinha e a transferência do atleta para o Desportivo Brasil Participações Ltda. será registrada no início desta semana na Confederação Brasileira de Futebol.

Na negociação, uma certeza: Éverton permanece no Tricolor até o término da Série B, no dia 29 de novembro de 2008. O BID irá registrar, na mesma data em que sua rescisão for homologada, o empréstimo do meia para o próprio Paraná, até o fim da temporada. O jogo contra o Santo André, no Bruno José Daniel, marcará a “despedida” da revelação paranista.

O Desportivo Brasil, locado em São Paulo, é um clube utilizado pela Traffic para
vincular seus jogadores, como os ex-tricolores Gustavo, Jumar e Maicosuel. Todos pertencem à empresa, mas atuam pelo Palmeiras, que, comenta-se, pode ser o próximo destino também de Éverton. Os valores da negociação não foram confirmados, mas o destino do dinheiro arrecadado sim: o pagamento de pendências trabalhistas. “Não tínhamos saída, pois a Justiça havia penhorado os direitos do Éverton àquela ação do Hadson. Preferimos o acordo, que acabou sendo bom para todos”, confirmou o presidente Aurival Correia.

É o passado cobrando seu preço. Rescisões malfeitas geraram ações nas áreas trabalhista e cível e nos últimos anos o Paraná tem procurado sanear essa área, pagando dívidas e mais dívidas. Só na atual temporada, o clube já desembolsou mais de R$ 2,4 milhões no pagamento de acordos e sentenças. “Hoje, nossa política é não endividar o clube, nem no presente, nem no futuro”, explicou Correia, evitando críticas por estar gerenciado dívidas contraídas em gestões anteriores. Internamente, todos tinham a certeza de que a saída de Éverton seria inevitável. Ainda mais diante das atuações impecáveis do meia.

“Nosso trabalho, na verdade, foi buscar um valor que atendesse às nossas necessidades, tendo como prioridade a permanência do jogador no clube”, disse Aurival Correia. No início do ano, o clube já negociara 15% dos direitos de Éverton com a própria Traffic para assegurar o equilíbrio de suas finanças. Mesmo não sendo citados valores, é certo que a recente transação girou na casa de R$ 1 milhão. Este foi o valor acordado para a quitação da ação envolvendo o meia Hadson (aquele, que só jogou 15 minutos e conseguiu uma sentença de R$ 3 milhões, por conta do não pagamento da cláusula rescisória, em 2003).

Além disso, o clube também obteve recursos para saldar antiga dívida com o PSTC, ainda referente a uma transação nebulosa envolvendo o atacante Ilan. “Tenho a certeza que estamos fazendo o melhor pelo Paraná. Hoje, o clube recuperou crédito e credibilidade. Com a evolução dentro de campo, chegaremos ao objetivo  e, o mais importante, livre de dívidas”, finalizou o presidente tricolor. Éverton, a principal revelação do clube em 2008, disputou, até aqui, 35 jogos, marcando 4 gols.