O meia Éverton só teve sua presença confirmada no fim da tarde de ontem. A cessão do atleta, agora federado ao Desportivo Brasil por empréstimo, até o final de novembro, só se confirmou por volta das 18h, quando seu nome enfim apareceu no BID da CBF. Com a documentação regularizada, chegam ao fim as especulações em torno de uma eventual saída do atleta antes do término da Série B.

Não que isso tenha causado qualquer desconforto para a diretoria paranista, que desde o início da competição conseguiu driblar o assédio de Internacional, Santos e Flamengo.

Este último, aliás, será o próximo destino de Éverton, quando seu contrato com o Paraná chegar ao fim. O meia, principal revelação do clube nos últimos anos, teve 30% de seus direitos econômicos negociados com a Traffic.

Recursos que serviram para o clube assegurar a manutenção dos salários em dia e também efetuar a quitação de algumas pendências trabalhistas e cíveis que assombravam o clube.

O meia, que nas últimas temporadas era tão-somente um coadjuvante, soube aproveitar como ninguém as oportunidades que lhe foram oferecidas em 2008. “Comendo pelas beiradas”, literalmente, Éverton se firmou como titular jogando na ala esquerda, ainda sob o comando de Paulo Bonamigo.

Foi a porta de acesso para o jogador, que agora é dono da camisa 11, sendo a principal referência do Tricolor nesta Segundona. O fato de sua transferência ter sido confirmada não afetará seu desempenho nos próximos jogos.

Ao menos essa é a expectativa de todos. “A negociação vinha se desenrolando já há semanas e nem por isso ele caiu de rendimento. Muito pelo contrário. É um jogador com uma cabeça ótima”, comentam os dirigentes paranistas.

Éverton, por enquanto, só tem evitado os microfones. Prefere manter seu foco nos treinos e nos jogos, confiante na ascensão do Paraná nesta Série B. “Minha intenção é sair por cima, deixando o Tricolor novamente na primeira divisão do futebol brasileiro”, comenta o meia, sem perder a natural timidez.