Kazuyoshi Miura é mais que um ídolo no Japão. É uma lenda. É um samurai da bola – no sentido deles, de pessoas comuns que fazem coisas espetaculares. Aos 50 anos, é o atleta profissional mais velho em atividade no futebol mundial. E no último final de semana, brilhou ao marcar pelo seu time, o Yokohama FC, na vitória por 1×0 sobre o Thespakusatsu Gunma, pela segunda divisão do Campeonato Japonês.

Confira o gol de Kazu

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=GY8KQXPmHqY[/youtube]

É uma marca inicialmente impensável, mas que aconteceu e que foi comemorada até com sambadinha, mais no estilo Rubens Barrichello do que no estilo Globeleza. Mas sendo ele japonês, tá perdoado. “Eu sempre procuro por oportunidades para fazer gols. Eu estava me sentindo particularmente bem hoje (domingo) e tive um pressentimento de que poderia marcar”, comentou o atacante.

Kazu tem exatos 35 anos de futebol. Desde que chegou ao Brasil, em 1982, para atuar na base do XV de Jaú, o jogador percorre o planeta atrás da bola. Passou pelas categorias menores do Santos e do Matsubara até se profissionalizar no CRB e voltar para o time de Jaú, onde se destacou no Campeonato Paulista de 1988.

De lá veio jogar no Coritiba. Tornou-se ídolo instantaneamente – por ser japonês, por jogar bem e por ser driblador. Era o camisa 11 alviverde, número que adotou dali por diante, inclusive até hoje. Virou titular já com Valdir Espinosa no Brasileirão de 1988 e logo depois seguiu na equipe com Edu Coimbra. Ele disputou posição um certo tempo com Marquinho Carioca, mas quando o meia foi para o Botafogo, Kazu entrou pra não sair mais.

Kazu no tempo do Coritiba e no tempo da foto preto e branco, num jogo contra o Cascavel, pelo Paranaense de 1989. Foto: Arquivo
Kazu no tempo do Coritiba e no tempo da foto preto e branco, num jogo contra o Cascavel, pelo Paranaense de 1989. Foto: Arquivo

Foi um dos destaques do time campeão paranaense em 1989, lembrado pelos torcedores como um dos melhores da história do Coritiba. E acabou se transferindo para o Santos, onde teve poucas oportunidades. Foi aí que passou de ‘embaixador’ a propagador do futebol japonês. Voltou ao país de origem no período embrionário da J-League, e ao lado de Zico tornou-se o grande cartaz da competição.

E então passou a acumular marcas pela idade. Chegou a atuar pela seleção japonesa de futsal no Mundial da Tailândia, em 2012 (inclusive enfrentou o Brasil), e foi aos 45 anos o mais velho jogador a atuar na história da competição. Voltou aos campos pelo Yokohama, renovou contrato em 2015, completou 50 anos em campo e superou o mito inglês Stanley Matthews.

E não perguntem a ele se ele pensa em parar de jogar. “Desde criança era a única coisa que eu fazia. Pretendo ficar na ativa enquanto meu corpo e minha paixão permitirem. Estar em campo aos 50 anos junto com meus companheiros é uma alegria muito grande. Acho que vou tentar seguir assim até os 60. Já cansei de falar o quanto eu amo o futebol”, resumiu Kazu.

Esse é o Kazu brasileiro, o lateral-esquerdo da base do Coritiba. Foto: Daniel Castellano
Esse é o Kazu brasileiro, o lateral-esquerdo da base do Coritiba. Foto: Daniel Castellano

Influência

Até hoje o nome de Kazu empolga no Coritiba. Quando vem ao Brasil, o atacante faz questão de visitar o Couto Pereira. E tem até “herdeiro”, o jovem Christian Kendji, natural de Maringá, lateral-esquerdo da base alviverde com passagens pela seleção brasileira. Ele morou nos últimos anos no alojamento do estádio Couto Pereira. “Espero ter uma chance de entrar no campo com a camisa do Coritiba. Só de imaginar, arrepia”, conta

Pela descendência japonesa e por chegar ao Cori, ele logo foi apelidado de “Kazuzinho”, e depois virou Kazu, nome que ele adotou no futebol. “Eu gosto, ficou bacana”, garante o lateral alviverde. “Quero chegar primeiro ao profissional e ganhar muitos títulos pelo Coritiba, para depois pensar em ir para a Europa e ajudar minha família, que é meu principal objetivo”, contou o jogador.