Membro do Conselho da Fifa e ex-presidente da Federação Alemã de Futebol, Wolfgang Niersbach vai apelar contra a suspensão de um ano de futebol imposta em razão de um polêmico pagamento realizado pela Alemanha envolvendo o processo de escolha do país para sediar a Copa do Mundo de 2006.

“Depois de consultar meus advogados, vou apresentar um recurso, mesmo que seja apenas para conseguir obter uma explicação por escrito para este veredicto”, afirmou Niersbach, nesta quarta-feira, à imprensa alemã.

O Comitê de Ética da Fifa considerou Niersbach culpado por deixar de relatar possíveis condutas antiéticas e conflitos de interesse durante o processo de definição da sede do evento.

Niersbach, vice-presidente do comitê organizador da Copa do Mundo de 2006 e responsável por questões de mídia e marketing, descreveu a punição recebida por ele como “excessiva”.

O dirigente manteve seus cargos nos órgãos decisórios da Fifa e da Uefa, para os quais foi eleito, mas renunciou à presidência da federação alemã em novembro após não conseguir explicar as razões de um pagamento de 6,7 milhões de euros (aproximadamente R$ 24,1 milhões, na cotação atual) realizado pelos organizadores alemães da Copa do Mundo para a Fifa.

Niersbach se tornou o primeiro membro do recém-criado Conselho da Fifa, que substituiu em maio o seu desacreditado comitê executivo, a ser punido pela divisão de ética da entidade, que havia solicitado que o dirigente fosse suspenso por dois anos de qualquer atividade ligada ao futebol.