Será uma manhã um pouco diferente a de hoje no Autódromo Nelson Piquet, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Não será uma simples classificação para a corrida que acontece domingo, às 10h15 – a sétima etapa do Campeonato Brasileiro de Stock Car.

É um treino que definirá o grid de largada da badalada Corrida do Milhão, que dará ao piloto vencedor um prêmio de um milhão de dólares (na cotação de ontem, R$ 1,64 milhão). Além disso, será o primeiro classificatório com mudança nas “minicorridas” que definem os seis primeiros colocados.

Tudo começa como nas corridas anteriores. Os 34 carros partem para trinta minutos de treinamento, começando às 11h10 de hoje. Passam os quinze primeiros, e os seguintes se posicionam entre o 16.º e o 34.º posto no grid. A segunda qualificação, com vinte minutos de duração, define os seis primeiros (e quem ficou ocupa da 7.ª até a 15.ª posição).

Aí vem a mudança. Continuam ocorrendo as “minicorridas” (do primeiro da Q2 contra o sexto, do segundo contra o quinto e do terceiro contra o quarto), e quem fizer o melhor tempo nas duas voltas garante a pole. Só que agora a largada será lançada, e não parada.

“Com os carros parados, há sempre o risco que alguém posicione o carro um pouco mais à frente do local certo, e nem sempre os comissários percebem. Além disso, existe a possibilidade de uma queima involuntária. Acho que assim ficará melhor”, acredita Ricardo Maurício, líder do campeonato.

Mudará, com isso, a estratégia de quem partir para a superclassificação. Agora, a saída é importante não para ficar na frente e se garantir como um dos três primeiros, mas sim para “embalar” e conquistar o melhor tempo possível.

Nos treinos livres de ontem, os melhores tempos foram conseguidos à tarde. O mais rápido foi Cacá Bueno, o único que conseguiu fechar uma volta abaixo de 1min21s – ele terminou com 1min20s923. Duda Pamplona foi o segundo, Nonô Figueiredo o terceiro, Popó Bueno o quarto e o paranaense Alceu Feldmann o quinto.

Pneus

Houve outra alteração nas regras da Stock. Atendendo ao pedido de algumas equipes, os organizadores liberaram o fornecimento de mais um jogo de pneus novos por carro.

De acordo com o regulamento vigente, cada piloto tem direito a dois jogos zero por etapa e mais três lacrados das etapas anteriores, usados ou não. No Rio de Janeiro, a Goodyear disponibilizará um “set” novo extra – decisão só para a prova de amanhã, que terá duração maior (1h15) e possibilidade de troca de pneus no segundo pit stop obrigatório para reabastecimento.

Paraná conta com dez pilotos

Rio – O automobilismo paranaense estará representado por um bom time na Corrida do Milhão.

A “equipe” conta com Alceu Feldmann, Rodrigo Sperafico, Júlio Campos, David Muffato, Thiago Marques, André Bragantini, Tarso Marques, William Starostik, Lico Kaesemodel e Ricardo Sperafico.

Os gêmeos Ricardo e Rodrigo Sperafico, de Toledo, representam a região oeste.

Eles estão confiantes para a prova. Ricardo espera marcar os primeiros pontos na atual temporada comemorando a vitória na corrida mais esperada do ano. Já Rodrigo, piloto da equipe Terra/Avallone, é o atual vice-campeão da Stock e diz que quem tiver melhor estratégia vencerá esta corrida.

“Neste tipo de prova não se pode cometer erros. Quem conseguir ser rápido e ao mesmo tempo poupar pneus para o final da corrida tem grandes chances de engordar a conta bancária”, afirma.