O título do Masters 1000 de Paris, neste domingo, fez Roger Federer diminuir em 820 pontos a distância para Andy Murray no ranking anual da ATP (Associação de Tenistas Profissionais) atualizado nesta segunda-feira. Com os 1.000 pontos conquistados na França, o suíço chegou a 6.670 e se manteve na quarta colocação, agora 710 pontos atrás do escocês, o terceiro.

A diferença pode ser tirada no ATP Finals, torneio que reúne os oito melhores do ano a partir de domingo, em Londres. Novak Djokovic segue disparado como líder do ranking, com 13.475 pontos, seguido de Rafael Nadal (9.375), postos que eles não perderão no último torneio da temporada.

Nesta semana, os rankings geral e anual da ATP são idênticos, uma vez que já foram retirados os pontos distribuídos no ATP Finals de 2010. Assim, na lista geral, a principal novidade foi mais uma vez o crescimento do francês Jo-Wilfried Tsonga, que voltou a ocupar a posição mais alta de sua carreira profissional, subindo de oitavo para sexto após ser vice-campeão em Paris. Em Londres, ele pode até chegar à quinta posição do ranking, atualmente com o espanhol David Ferrer.

Tsonga, assim como o checo Tomas Berdych (sétimo) e o norte-americano Mardy Fish (oitavo), se garantiu no ATP Finals. O primeiro reserva será o sérvio Janko Tipsarevic, que subiu quatro postos na atualização desta segunda-feira. A maior queda na semana foi de Robin Soderling. O sueco despencou da sexta para a 13.ª posição, deixando o Top 10 para a entrada de Nicolas Almagro, agora o décimo.

Longe da briga pelas primeiras posições, Thomaz Bellucci aparece como melhor brasileiro, na 37.ª posição, mas pode melhorar seu posto até o fim do ano. A partir desta quarta-feira, ele disputa como convidado, em São Paulo, o ATP Challenger Tour Finals, torneio que reúne os tenistas com melhor desempenho nos torneios de nível Challenger em 2011. Como o campeão pode somar até 125 pontos, Bellucci tem condições de ganhar até quatro posições e subir para 33.º, posto ainda pior que o que tinha ao fim de 2010: 31.º.

Também vão disputar a competição em São Paulo: Rui Machado (Portugal), Martin Klizan (Eslováquia), Andreas Beck (Alemanha), Matthias Bachinger (Alemanha), Dudi Sela (Israel), Bobby Reynolds (EUA) e Cedrik-Marcel Stebe (Alemanha). O português é o que tem melhor ranking, em 73.º.

Ricardo Mello segue sendo o segundo melhor brasileiro do ranking, agora em 85.º, uma posição abaixo da que ele tinha há uma semana. Logo atrás vêm João Souza, o Feijão (101.º), Rogério Dutra Silva (122.º) e Julio Silva (151.º), que ganhou oito posições com a semifinal do Challenger de Buenos Aires.