Yokohama (AE) – Após a vitória sobre a Alemanha e a conquista do pentacampeonato mundial, o técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, voltou a ressaltar o “espírito de união e vibração de seus atletas em busca de um objetivo único” e também agradeceu ao apoio dos torcedores. “Sentimos os bons fluidos do povo brasileiro”, afirmou.

“Os brasileiros me colocaram aqui e, agora, estão entendendo o que é boa vontade para trabalhar”, disse Felipão, com lágrimas nos olhos. “Estou sentindo a mesma alegria de todos os brasileiros, a alegria de ver o Brasil novamente campeão.” O treinador fez questão de lembrar que a equipe conquistou sete vitórias em sete jogos, “um grande feito”. Felipão contou que tudo que foi planejado pela comissão técnica quando ele assumiu o comando da seleção foi cumprido. “No início da Copa, tínhamos de resgatar a imagem de um Brasil vencedor e, por isso, apostei no Juninho Paulista, em um time mais ofensivo, para marcar gols e causar uma boa impressão”, justificou. “Então, foi só fazer pequenas alterações.” O treinador também elogiou a defesa do time. “É uma das melhores do mundo.” Sobre a cobrança da imprensa e dos torcedores para conquistar o título, Felipão afirmou que conseguiu mostrar para os atletas a importância de ser o primeiro. “No Brasil, ser o segundo é como ser o último”, disse o treinador, que teve uma importante função de psicólogo do time. “Agora, eu quero que fiquem registradas as imagens de um Brasil vencedor.”

Felipão voltou a adotar um discurso de forte nacionalismo. “Mostramos o caminho que o Brasil precisa para crescer em todos os aspectos”, afirmou, ressaltando não ser “político”. O treinador ainda lembrou que, em 2006, na Alemanha, nenhuma seleção poderá alcançar o Brasil. “E ainda poderemos ser hexacampeões.”