Sem mostrar sinais de desânimo, o técnico Luiz Felipe Scolari mostrou confiança em uma virada histórica do Palmeiras, diante do Coritiba na quarta-feira, e disse se inspirar no confronto com o Grêmio, em 1995, para motivar seus jogadores. Para avançar na Copa do Brasil, o time paulista precisa pelo menos devolver a goleada de 6 a 0, sofrida na semana passada, para levar o duelo para os pênaltis.

“Em 1995, o Grêmio venceu o primeiro jogo por 5 a 0 e ninguém acredita que o Palmeiras pudesse ir buscar”, relembrou o treinador, que na época comandada o time gaúcho, na Copa Libertadores. “Chegamos aqui no Palestra e os nossos jogadores rezavam para o jogo acabar logo. O Palmeiras ainda mandou uma bola na trave no final do jogo, quando já estava 5×1. No futebol, nada é impossível. Às vezes fica difícil ou muito mais difícil, mas eu não vou jogar a toalha por causa de um desastre”, destacou.

Com a necessidade de reverter o resultado, Felipão confirmou que o Palmeiras terá uma postura mais ofensiva nesta quarta. “Não vai adiantar nada a gente vencer só por vencer. Vamos jogar para vencer e tentar a classificação. Temos que nos impor, mas ao mesmo ter equilíbrio. No jogo entre Palmeiras e Grêmio, o Jardel abriu o marcador e daí o Palmeiras precisava fazer seis. É claro que vamos ter riscos, mas somos obrigados a correr atrás do resultado”, comentou.

Em relação ao jogo da ida, Felipão voltou a afirmar que a goleada foi um “acidente”. “Não somos ruins ao pontos de levar seis gols. Foi uma noite desastrosa. Em todos os outros jogos da temporada, tivemos atuações de razoável para boa ou ótima. Os jogadores estão conscientes dos erros, tudo foi mostrado e identificado. Em todos os lugares do mundo acontecem desastres e cabe a nós ter esperança de reconstruir. Vamos tentar devagar de novo, mas não vamos desistir”.