A diretoria do São Paulo desistiu ontem da contratação do meia/lateral Felipe, ex-Galatasaray, da Turquia. De acordo com o diretor de futebol do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, o salário pedido pelo atleta é muito alto e está “além da realidade do futebol brasileiro”.

Em dezembro, Felipe rompeu seu contrato com o clube turco, dono de 50% de seu passe, e viria para o São Paulo em troca de Fábio Simplício. Como o acerto não vingou, o volante são-paulino fica no clube. “Claro que fica. O Simplício não vai ser negociado”, garantiu o dirigente.

A notícia, aliás, foi um alívio para o volante. Na manhã de ontem, assim que foi informado sobre a troca, Fábio Simplício, curioso, começou a se sentir já negociado e queria saber detalhes de como era jogar no futebol turco. Ligou então para o atacante Christian, que jogou no Galatasaray no segundo semestre de 2002. Para seu desespero, as informações não foram nada agradáveis. “Parece que o clube (Galatasaray) está com dificuldade e vem atrasando o pagamento de salário”, afirmou. “Ir para lá e não receber! Se for assim, é melhor ficar aqui”, constatou, desolado, momentos antes de saber que seria mantido no elenco.

Dispensas

O atacante Leandro admitiu ontem que está deixando o São Paulo, com destino ainda incerto. “Queria continuar aqui, mas a diretoria, infelizmente, não quis assim”, lamentou o jogador. O Santos tenta contratá-lo.

O meia Adriano, outro com um pé fora da equipe, passou a tarde esperando uma posição da diretoria. O São Paulo quer reduzir seu salário, o jogador aceita – “desde que não seja muita coisa” -, mas, por enquanto, não há acordo. “Ainda estamos estudando o caso do jogador”, declarou Leco.