O goleiro Fernando Prass criticou nesta quinta-feira a punição que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) aplicou ao ABC em razão da superlotação do Estádio Frasqueirão, em Natal, na partida contra o Palmeiras, no dia 5, em rodada da Série B. Para o palmeirense, a sanção foi muito branda.

Naquela partida, torcedores do ABC se espremeram no alambrado, em uma das entradas, e atrasaram o início do jogo em 35 minutos. Mulheres e crianças precisaram ser retiradas do local, por causa da superlotação daquele trecho da arquibancada. Alguns receberam atendimento médico no gramado.

Por causa do tumulto, que esteve perto de causar uma tragédia, o ABC recebeu somente uma multa, no valor de R$ 30 mil, sem perda de mandos de campo. “Vejo o pessoal do STJD dando declarações fortes a respeito de cobranças que vêm de fora. É estranho pagarem uma multa de R$ 30 mil apenas. É um valor absurdamente insignificante pelo que poderia ter acontecido lá e felizmente não aconteceu”, criticou Prass.

Para o goleiro, a punição ao ABC não pode ser comparada à sanção imposta ao Palmeiras no fim do mês passado. Na ocasião, o time paulista foi multado em R$ 20 mil por causa de uma confusão entre suas torcidas organizadas na partida contra o Guaratinguetá, no fim de julho.

“Teve outras situações. Brigas generalizadas, muito mais fortes do que a briga em Guaratinguetá e o clube tomou R$ 20 mil de multa. Isso não dá para entender. É um absurdo a punição que nós recebemos”, afirmou Prass.