Uma tarde tranquila nos arredores da Arena da Baixada. Quem foi ao estádio pôde chegar com tranquilidade, mesmo com um público muito bom para o primeiro jogo da final do Campeonato Paranaense. Para o Atletiba deste domingo (30), com a categórica vitória do Coritiba sobre o Atlético por 3×0, o público foi de 29.031 torcedores, que participou e muito antes e durante a partida.

Saiba como foi a vitória do Coxa na primeira partida da final!

A torcida do Coritiba, escoltada pela Polícia Militar, chegou quase toda junta à Baixada. Por isso, fez uma festa mais concentrada antes do jogo. Enquanto isso, os atleticanos estavam nos bares no entorno do estádio, só se reunindo para recepcionar o time na chegada ao Joaquim Américo. Aí o clima de final e de clássico se afirmou, com os gritos e as provocações sendo ouvidos dentro e fora do campo.

Nas cadeiras destinadas aos torcedores rubro-negros, vários distintivos do Atlético, prontos para ser usados quando o time entrasse em campo. E ficou um cenário bonito para a recepção ao time. O protocolo foi meio capenga, com o Furacão entrando primeiro e o Coxa instantes depois, sem a entrada única que vem sendo costumeira. Mas o torcedor nem se incomodou, queria mesmo era acompanhar o jogo.

Quem sofreu no início da partida foram os torcedores que não estavam na Baixada. O sinal da transmissão via internet, que foi cedido pelo canal Esporte Interativo aos clubes, caiu minutos antes do jogo iniciar, e só entrou aos sete minutos do primeiro tempo. Período suficiente para uma enxurrada de críticas, e para João Pedro acertar uma bola na trave. Mas depois o sinal foi normalizado e a cobertura aconteceu sem problemas, com grande audiência tanto no YouTube quanto no Facebook.

Com o Coritiba abrindo vantagem com os gols de Werley e Iago, a festa se transferiu para o lado verde das cadeiras. Os atleticanos pediram raça, se revoltaram com o “chambão” do assistente Victor Hugo Imazu dos Santos, que se desequilibrou e derrubou Felipe Gedoz, e se assustaram com o choque de Anderson e João Pedro, que levou o meia rubro-negro a ser levado de ambulância para ser avaliado no hospital Marcelino Champagnat.

O gol de Kléber, logo no início do segundo tempo, fez as bandeiras alviverdes tomarem conta do setor de visitantes da Arena. Os torcedores do Coritiba não pararam de gritar, enquanto alguns atleticanos chegaram a desistir do jogo e ir embora do estádio. O fluxo de saída foi aumentando enquanto o relógio corria. Os gritos de “olé” começaram a ser ouvidos aos 25 minutos. E foi assim até o jogo terminar, com os atleticanos que ficaram gritando o nome do time já pensando na motivação para o jogo decisivo da quarta-feira (3) contra o San Lorenzo pela Libertadores (enquanto alguns hostilizavam Grafite), e os coxas-brancas comemorando o grande passo para a conquista do título paranaense.