Arthur Zanetti obedece a um rígido controle alimentar, por causa de sua modalidade e também pela tendência a ganhar peso. Mas a família preparou um cardápio especial para celebrar o retorno do ginasta ao Brasil, depois da conquista do título mundial nas argolas, sábado, na Bélgica.

“Vamos fazer um café da manhã para ele, com direito a bomba de chocolate que ele adora”, disse sua tia, Ju. À noite, depois de descansar, o atleta ganhará um jantar caseiro. “Vou fazer frango assado com maionese”, conta a avó materna, Neide. “Tenho certeza que ele está morrendo de vontade de comer arroz e feijão.”

A avó Neide é uma das grandes apoiadoras da carreira de Zanetti. É na casa dela que campeão olímpico e mundial das argolas janta após os treinos, antes de ir para a faculdade de educação física, no período noturno. A casa da avó fica em São Caetano do Sul, onde ele treina e estuda. Já o ginasta mora em São Bernardo do Campo, com os pais.

“Ele vai para a minha casa, toma banho e janta antes da aula. Ele é muito dedicado aos estudos, come de olho na apostila. E eu deixo as frutas cortadinhas já para ele comer e facilitar os estudos.” Para que o ginasta não ceda à tentação, ela esconde os doces que cozinha. “Ele adora arroz doce, canjica, pudim de leite. Eu faço, mas nem conto para ele, tadinho. Às vezes, deixo ele comer um pedacinho de chocolate, porque fico com dó.”

Neide levava Zanetti aos treinos no Serc Santa Maria quando ele era criança. Por ser muito ativo desde pequeno, um professor sugeriu à mãe do ginasta, Roseane, que o garoto fizesse alguma atividade física. “Era de ônibus que eu o levava aos treinos, muitas vezes ele dormia no colo”, recorda a avó, que não conseguiu assistir ao vivo a apresentação do neto no Mundial da Bélgica, no sábado, porque não tem TV a cabo.