Ron Dennis, sócio e diretor da McLaren, e Norbert Haug, diretor-esportivo da Mercedes, maior proprietária da McLaren, compreenderam, ontem, que terão de mudar sua estratégia de defesa para amanhã, quando a equipe será julgada por espionagem contra a Ferrari.

O time inglês enviou à FIA documentos para tentar provar que a Renault corre com carro irregular. A McLaren está acusando, agora, a escuderia francesa além da Ferrari.

Mas a conhecida técnica de a melhor defesa é o ataque talvez não funcione. Isso porque ontem a FIA informou que a Renault será julgada da acusação da McLaren apenas depois da audiência de amanhã do Conselho Mundial, em Paris.

"Confirmamos que os advogados da McLaren nos alertaram a respeito de recursos dúbios nos carros da Renault. Mas já os informamos, também, que a Renault não faz parte das nossas investigações sobre não cumprimento do artigo 151C do Código Desportivo Internacional", disse um porta-voz da FIA. "Avisamos os advogados da McLaren que o Conselho Mundial, focalizará suas atenções nas novas evidências (eventuais provas contra a McLaren).