A Fifa aumentou neste sábado a punição aplicada ao diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, que atua como assessor de imprensa da seleção brasileira na Copa do Mundo. A suspensão de um jogo foi ampliada para quatro, a serem cumpridos ainda durante a competição.

Destas quatro partidas de suspensão, Rodrigo Paiva já cumpriu um, no duelo das quartas de final contra a Colômbia, na sexta-feira, em Fortaleza. O assessor terá que cumprir pelo menos mais dois jogos, na semifinal contra a Alemanha e na final ou na disputa pelo terceiro lugar da Copa.

O quarto jogo de suspensão ficará pendente para as próximas competições. E será efetivado caso Paiva sofra nova punição no período probatório de dois anos. Além do gancho de quatro partidas, o assessor da CBF terá que pagar multa de 10 mil francos suíços, cerca de R$ 25 mil. De acordo com a Fifa, tanto Paiva quanto a CBF já foram notificados da nova decisão.

Ele foi punido por causa da confusão ocorrida no intervalo da partida entre Brasil e Chile, pelas oitavas de final da Copa. Na saída de campo, jogadores das duas seleções se desentenderam na entrada do túnel, que leva os atletas para os vestiários, e Paiva teria acertado um soco no atacante Mauricio Pinilla, segundo jogadores chilenos.

“Foi uma confusão generalizada, não foi algo só comigo”, disse Paiva logo depois do incidente. “Só que o Pinilla veio para cima de mim e eu apenas me defendi. Reagi empurrando ele”, explicou.

Dois dias depois da partida, o assessor emitiu nota oficial para aceitar a punição, então de apenas um jogo, e dar sua versão sobre o caso. Na ocasião, ele disse que o Comitê Disciplinar da Fifa tinha provas que condenariam os chilenos. A entidade, contudo, ainda não aplicou nenhuma punição aos rivais do Brasil nas oitavas.