As próximas três semanas serão decisivas para o futuro da Copa do Mundo em Curitiba. Ontem à tarde, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, visivelmente desapontado e irritado com o atraso nas obras da Arena, que deverá receber quatro jogos do Mundial, deu um ultimato aos organizadores do evento no Estado e estipulou o dia 18 de fevereiro como prazo final para decidir se Curitiba será de fato uma das sedes da Copa do Mundo. A ameaça de a capital do Estado sair da rota do Mundial fez a CAP S/A – sociedade de propósito específico para gerir as obras-, o Governo do Estado e a Prefeitura de Curitiba tomarem medidas para acelerar o andamento das obras do estádio do Atlético e convencer a Fifa que o palco ficará pronto a tempo da realização do Mundial.

O cartola da Fifa não descartou a possibilidade de Curitiba deixar de ser uma das sedes da Copa do Mundo e se mostrou preocupado com o estágio atual das obras do estádio atleticano. “O que posso dizer? A questão é delicada. Sejamos francos e diretos. A situação atual do estádio não é realmente do nosso agrado. Não apenas está atrasado, mas foge a qualquer bom cronograma de entrega da Fifa para o uso. Não queremos o estádio pronto em 18 de fevereiro, mas queremos ver progresso nas obras”, frisou Valcke.

Além dele e de representantes do clube, do Município e do Estado, o secretário executivo do Ministério do Esporte, Luís Fernandes, se reuniram para traçar as medidas tomadas para que Curitiba não fique marcada como o principal fiasco da Copa do Mundo do Brasil. Dando a entender falha na gestão da CAP S/A, um comitê gestor foi formado e, a partir de agora, o clube deixará de ter plenos poderes para administrar a reforma da Arena, e as próximas decisões serão tomadas também por representantes dos poderes municipal e estadual.
.

Albari Rosa/Gazeta do Povo
O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, quer estádio praticamente pronto no dia 18.

Além da distribuição e da descentralização do poder, que significa uma verdadeira intervenção branca, técnicos especializados do Comitê Organizador Local (COL) estarão acompanhando o ritmo das obras da Arena. “Para tocar a obra na velocidade necessária, completa e com qualidade para sediar os jogos da Copa do Mundo, um técnico com capacidade técnica estará acompanhando e apontando os melhores caminhos. Se continuasse nesse ritmo, o estádio não ficaria pronto”, frisou Luís Fernandes, que representou o ministro do esporte, Aldo Rabelo, no encontro.

Foi definido também que um fluxo financeiro maior que, para os responsáveis, é necessário para a intensificação das obras do estádio atleticano. Ontem mesmo, foi anunciada a liberação da segunda parcela do terceiro contrato de financiamento da CAP S/A junto à Agência de Fomento do Paraná no valor de R$ 39 milhões. Para viabilizar esta quantia, o clube deu como garantia as cotas de televisão dos direitos de transmissão do Brasileirão. “Uma auditoria será feita para sabermos o valor concreto necessário para essa intensificação. Com este fluxo financeiro maior, podemos garantir que o estádio seja entregue com a qualidade e os requisitos necessários dentro do prazo”, acrescentou Fernandes.

Por fim, com a liberação de mais esta quantia, foi definido o aumento no efetivo de trabalhadores no canteiro de obras da Arena da Baixada. Atualmente, 1.084 operários estão trabalhando no local e este número deve aumentar em 50 a 70%, passando a cerca de 1.800 trabalhadores a partir de agora. O terceiro tu,rno de atividades deverá ser implantado.