A imprensa internacional levantou dúvidas sobre a capacidade do Brasil de organizar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 diante do blecaute que paralisou metade do País na noite de terça-feira. Mas tanto o Comitê Olímpico Internacional (COI) como a Fifa optaram por minimizar o incidente.

O porta-voz do COI, Mark Adams, deixou claro que a entidade não estava preocupada com a hipótese de que o apagão seja um sinal de fragilidade na infraestrutura brasileira. “Não estamos preocupados com incidentes isolados como esse. O que ocorreu no Brasil poderia ter ocorrido em qualquer lugar do mundo”, disse.

Na Fifa, relacionar o apagão ocorrido terça-feira no Brasil a eventuais problemas em 2014 foi considerado como “um absurdo” por pessoas próximas ao presidente da entidade, Joseph Blatter. “A Copa do Mundo ocorrerá em cinco anos”, disse uma fonte da entidade. “Não há sequer porque se preocupar”, completou.