Fax da Fifa já chegou e Washington está
liberado pra jogar com a camisa do Atlético.

Demorou, mas chegou. Finalmente a Fifa enviou o tão esperado fax com a liberação do atacante Washington do Fenerbahce e que permite a inscrição do jogador pelo Atlético. Com o encaminhamento da papelada, desde já o artilheiro passa a ser a principal atração para o clássico de domingo contra o Paraná Clube. Entre hoje e amanhã, o departamento de futebol do Rubro-Negro corre contra o tempo para deixar Washington à disposição do técnico Mário Sérgio.

“A Fifa enviou o fax e eu estou tentando me comunicar com o Washington para fazer essa comunicação”, confirmou Gilmar Rinaldi, procurador do atleta. De acordo com ele, com o documento em mãos, o contrato já poderá ser assinado. “Muito provavelmente ele já poderá jogar no domingo, dependendo do técnico escalar ele na partida”, disse o procurador.

A liberação para jogar pelo seu novo clube alivia a ansiedade do atacante. “A gente só estava esperando a documentação. Estou me saindo bem nos treinamentos e só estou um pouco ansioso”, revelou. Com a documentação em ordem, a expectativa fica por conta de sua estréia. “Já estou bem entrosado com o grupo e esperando por uma oportunidade do técnico Mário Sérgio”, apontou.

A possibilidade de ter Washington no time deverá forçar uma briga por posições nos treinamentos da semana. O treinador rubro-negro poderá lançar o atacante aos poucos ou colocá-lo desde o início no clássico de domingo. Para essa última possibilidade, Washington entraria no lugar de Ilan ou Fernandinho ou até mesmo um meia poderia ser sacado, com o conseqüente recuo do meia Fernandinho para essa função. Os trabalhos após o Atletiba recomeçam hoje pela manhã no CT do Caju.

Gabiru

O meia Adriano está muito próximo de um acerto com o São Paulo, mas o Palmeiras ainda está na parada. Com o fechamento do mercado europeu, restou apenas a Ásia ou o emergente (em termos de dinheiro) Leste Europeu, além de clubes brasileiros. De acordo com o procurador Luís Taveira, até amanhã deverá sair alguma definição. “Temos reuniões programadas com alguns clubes e vamos decidir onde o Adriano irá jogar”, disse. O mais provável destino do jogador continua sendo mesmo o tricolor paulista, já que ele foi indicado pelo técnico Cuca, que quer mais reforços para a disputa da Copa Libertadores da América.

Fleury detona Couto e diz que torcida merece mais

O presidente do Atlético, João Augusto Fleury da Rocha, mudou de idéia e foi ao Estádio Couto Pereira assistir ao Atletiba de domingo e fazer um “test-drive”. Não como dirigente de clube, mas desta vez como um torcedor comum, vibrando nas arquibancadas. Sentindo na pele o tratamento que é dado aos aficionados, Fleury não gostou do que viu e rebateu as acusações de Giovani Gionédis, colega de cargo do Coritiba.

Após lutar por torcida única nos clássicos, o dirigente foi convencido por um amigo a ir até o campo do rival. “Deixei meu carro na Rua Ubaldino do Amaral e fui fazer um teste como torcedor”, revelou. De acordo com suas impressões, os atleticanos mereciam um tratamento melhor. “Há muito tempo que eu não entrava num estádio comum e devo dizer que não gostei”, analisou.

Segundo ele, os problemas já começam na forma que a Polícia Militar conduz os rubro-negros até a entrada da torcida visitante. “O torcedor é tangido a ir em comboio, passa num terreno com mato por todos os lados e no estádio não tem banheiros, não tem lanchonete, não tem nada”, disparou. Uma impressão que outros torcedores passaram para ele. “Não era só homens que tinha lá. Tinha muitas crianças, senhoras e ninguém gostou. Mas evoluiu. Pelo menos não teve fumaça verde, nem alto-falante voltado para nós”, ponderou.

Já as críticas do presidente do Coritiba foram recebidas com tranqüilidade. “Ele estava irritado com os acontecimentos”, apontou. No entanto, ele não concorda com o alviverde, que diz que sua torcida é maltratada na Arena. “Maltratada é a torcida do Atlético”, rebateu. Sobre a cobrança de 20% de ingressos no próximo Atletiba na Arena, Fleury quer esperar para ver o que vai acontecer. “Isso aí a gente vai conversar”, completou.