A International Board, órgão da Fifa que determina as regras do futebol mundial, se reunirá nesta quarta-feira em Cardiff, no País de Gales, para discutir a possibilidade de uso de mais dois assistentes dos árbitros nos jogos.

Esses dois auxiliares ficariam atrás dos gols e ajudariam os juízes a assinalar pênaltis e a constatar se a bola entrou ou não no gol em lances de dúvida. Tal medida, já utilizada no Campeonato Carioca e na Liga Europa, serviria como solução paliativa para as reivindicações de uso de tecnologia para minimizar erros de arbitragem.

O clamor pela adoção da informática como ferramenta dos juízes ficou maior após a Copa do Mundo de 2010, em que vários jogos foram decididos em erros claros de arbitragem. O mais evidente foi o gol de Lampard, da Inglaterra, não validado pelo uruguaio Jorge Larrionda na partida contra a Alemanha, pelas oitavas de final. A bola chutada pelo meia bateu no travessão, entrou por 33 centímetros e saiu.

A Fifa diz que só estudará a implantação de tecnologia para auxiliar os juízes numa reunião da International Board marcada para outubro deste ano.