A Fifa anunciou nesta terça-feira que rejeitou o recurso apresentado por Burkina Fasso, país que foi eliminado pela Argélia na fase final das Eliminatórias Africanas para a Copa do Mundo de 2014. A Federação de Futebol de Burkina Fasso tentava invalidar a classificação da seleção adversária ao alegar que um jogador argelino atuou em situação irregular, no confronto de volta do mata-mata entre as nações.

Burkina Fasso tinha esperança de herdar a vaga dos argelinos e fazer parte do grupo das 32 seleções já garantidas no Mundial que será realizado no Brasil. A nação africana acabou batida pela Argélia por 1 a 0, no último dia 19, fora de casa, em Blida, depois de ter empatado por 3 a 3 com o adversário no duelo de ida.

A Federação de Futebol de Burkina Fasso alegou que o defensor Madjid Bougherra, justamente o autor do gol decisivo que assegurou a Argélia na Copa, não poderia ter atuado neste duelo de volta do mata-mata porque estaria suspenso após ter tomado um cartão amarelo na partida de ida.

A Fifa, entretanto, avisou nesta terça que “nenhuma violação aos regulamentos foi cometida pela Argélia”, assim como destacou que “as condições formais exigidas para apresentar um protesto não foram cumpridas” pela entidade que controla o futebol de Burkina Fasso.

Além da Argélia, Nigéria, Gana, Camarões e Costa do Marfim serão os representantes da África na Copa de 2014, cujo sorteio dos grupos da competição será realizado no próximo dia 6, na Costa do Sauipe, na Bahia.