Apesar de conquistar a Copa da Coréia/Japão, o Brasil não está automaticamente classificado para o mundial de 2006, que ocorrerá na Alemanha. A mudança da tradicional regra da Fifa, aprovada no ano passado, está agora abrindo uma intensa competição entre os continentes: quem ficará com a vaga que antes era reservada para o campeão? A entidade máxima do futebol começará a debater esse tema em sua reunião anual, a partir de segunda-feira em Madri.

A disputa entre os continentes, porém, promete ser intensa. Das 32 vagas para o mundial, apenas a Alemanha, sede da Copa, tem lugar garantido.

Os maiores interessados na vaga suplementar que surgiu para a Copa de 2006 são os países da Oceania, os únicos que não contam com um representante automático no mundial. O vencedor das eliminatórias da Oceania é obrigado a disputar a vaga com o quinto colocado nas eliminatórias da América do Sul. Para a Copa de 2002, o Uruguai acabou derrotando a Austrália e se classificou.

Caso a vaga acabe indo para a Oceania, quem promete lutar para garantir mais um representante é a América do Sul, que poderia ter seu quinto colocado automaticamente classificado para o mundial. O quebra-cabeça não será fácil de solucionar, pois os países centro-americanos e da América do Norte também estarão lutando para garantir uma quarta vaga na Copa.

Para completar o cenário, os africanos, que já contam com cinco vagas, e os asiáticos, com quatro, não devem deixar barato e vão apresentar suas propostas. Os únicos que não poderão se manifestar são os europeus, que já contam com 15 vagas para o mundial, quase metade dos lugares disponíveis.