No confronto mais esperado do ano no futebol catarinense, Figueirense e Avaí se enfrentam neste domingo, a partir das 18 horas, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, pela última rodada do primeiro turno do Brasileirão. E as duas equipes entram em campo vivendo situações opostas no campeonato.

O Figueirense vem fazendo uma campanha consistente, perto dos primeiros colocados, e já tem 26 pontos somados. O Avaí, por sua vez, tem apenas 14 pontos e luta para sair da zona de rebaixamento. Mas, independente da situação dos rivais, a expectativa é de estádio lotado para o primeiro clássico entre as duas equipes pelo Brasileirão nas duas últimas décadas.

O técnico Jorginho escondeu o quanto pôde a formação do Figueirense para o clássico. Ele, no entanto, indicou que deve promover a volta do meia Elias, que cumpriu suspensão na vitória sobre o Corinthians na última rodada, para formar dupla de ataque com Júlio César. Assim, Fernandes seria mantido na armação das jogadas no meio de campo.

O meia Maicon, titular absoluto no Figueirense, acredita que o mais importante para vencer o clássico deste domingo é estar atento o tempo todo. “Acho que a preparação tem que continuar do jeito que veio até agora, com todo mundo ligado, todo mundo focado, atento”, disse o jogador.

Do outro lado, o Avaí terá um desfalque importante no clássico. Contratado no início da semana para substituir o demitido Alexandre Gallo, o técnico Toninho Cecílio não poderá ficar no banco de reservas neste domingo: vai cumprir punição de dois jogos por conta de infração cometida quando ainda era treinador do Americana na Série B do Brasileiro.

Apesar da ausência do técnico no banco, o meia Pedro Ken ressaltou a importância de uma vitória no clássico para o Avaí iniciar uma reação no campeonato. “Precisamos muito da vitória. Mesmo respeitando a equipe deles, queremos fazer uma grande partida para que o clássico possa ser um recomeço para nós. Quero que as coisas mudem para melhor”, afirmou o jogador.