Um presente espera pelos fãs das artes marciais nas salas de cinema. Anderson Silva, o maior campeão dos ringues na atualidade, ataca as telonas com o documentário Como Água, que estreia em todo o Brasil na próxima sexta-feira.

O filme registra um momento conturbado e crucial da carreira do campeão mundial dos médios do UFC, a principal competição de artes marciais mistas (MMA) do planeta: a preparação para a luta contra o americano Chael Sonnen, realizada em 2010, nos Estados Unidos.

Mais focado nos bastidores e treinamentos, Como Água pode frustrar quem espera ver um filme biográfico ou mais do “Spider” em ação. Também não impressiona como produção cinematográfica. Mas é diversão garantida para fãs do lutador e do esporte.

O documentário está cheio de lendas das artes marciais. “Se você coloca água em um copo, ela se torna o copo. Numa garrafa, ela toma a forma da garrafa. Água pode fluir ou pode esmagar. Seja água”, diz Bruce Lee, logo na primeira cena.

Trechos das lutas contra Chris Leben, Rich Franklin, Dan Henderson e Forrest Griffin mostram a trajetória de Anderson Silva desde a chegada ao UFC, sua consagração como o maior campeão do esporte, até a luta mais polêmica de sua carreira, em sua sétima defesa do cinturão. Contra o brasileiro Damian Maia, Anderson assume uma postura controversa, fugindo do combate nos últimos rounds, ao mesmo tempo em que provoca e desdenha do rival. A atuação irrita os fãs e os promotores do evento, que não poupam vaias e críticas.

Para a luta seguinte, o UFC prepara uma verdadeira prova de fogo para o “Spider”, contra um adversário que prometia não dar espaço nem tempo para o campeão respirar. E é aí que entra em ação o personagem mais divertido do filme.

Falastrão e claramente exagerado nas provocações, Chael Sonnen cumpre a risca o objetivo de se promover e esquentar o clima do confronto. “Ele é uma fraude. Entra no ringue e faz uma saudação, mas não vem de um local com essa cultura. No Brasil, se você se abaixa daquele jeito, te acertam a cabeça e roubam a sua carteira”, chega a dizer Sonnen, entre suas inúmeras galhofas. Sobram farpas até para lendas de outros esportes, como o ciclista Lance Armstrong e o nadador Michael Phelps.

Em contraste com a postura de Sonnen, o filme destaca um Anderson Silva mais recluso, recatado nas entrevistas, avesso aos eventos de divulgação. Sua performance e sua técnica são ferramentas suficientes para promover o evento. E para isso, ele não se poupa nos treinos, em companhia de Antônio Minotauro Nogueira, Júnior Cigano, Lyoto Machida e o astro dos filmes de ação Steven Seagal.

O desfecho já é manjado pelos fãs de MMA. A luta contra Sonnen se revela a mais difícil defesa de cinturão para Anderson. Em clara desvantagem ao longo de cinco rounds, o campeão consegue, “como água”, se moldar ao estilo do rival, agüentar as pancadas e arrancar uma dramática vitória no final.

Divulgação