Rio de Janeiro – O volante Arouca, convocado para a seleção sub-20, foi liberado ontem pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para defender o Fluminense no confronto de amanhã contra o Ceará, em São Januário, pelas semifinais da Copa do Brasil. Depois do jogo, ele seguirá à Granja Comary, em Teresópolis, onde se reapresentará ao técnico Renê Weber.

O técnico Abel Braga sentiu-se aliviado pela decisão da CBF. Ele entende que Arouca é uma peça-chave da equipe. Em relação a Tuta, suspenso, o treinador informou que vai optar por Léo Guerra, contratado ao Volta Redonda depois do Carioca.

?O Tuta tem feito vários gols e não é fácil substituí-lo. Mas vou entrar em campo com garra, dando o melhor de mim?, declarou Léo Guerra, que, segundo ele, foi bem recebido nas Laranjeiras. ?Senti uma equipe unida e com qualidade.?

Botafogo

A primeira derrota no campeonato brasileiro, apesar de ter sido uma goleada, foi bem absorvida pelos jogadores do Botafogo. Os quatro gols sofridos contra o Goiás serviram para mostrar que a equipe precisa trabalhar bastante para corrigir os erros.

Mas, pelo menos no discurso, o elenco está confiante. O volante Túlio, por exemplo, afirmou que o Botafogo não é ?cavalo paraguaio? – equipe que inicia uma competição na liderança e depois cai de rendimento. ?Ninguém está abalado. Não vai ser uma péssima partida que vai apagar nossa campanha. O grupo tem valor e qualidade. Favorito é o Santos?, declarou.

Flamengo

A derrota para o São Caetano não chegou a repercutir mal na Gávea. A comissão técnica e a diretoria do clube concluíram que o time está em formação, com uma base montada e que os resultados virão a longo prazo. As reclamações foram reforçadas contra a arbitragem. Os jogadores do Flamengo afirmaram que o São Caetano abusou da violência com a conivência do árbitro Evandro Roman.

Para o clássico de domingo contra o Fluminense, em Volta Redonda os dirigentes rubro-negros decidiram dividir a carga total de ingressos (19.200) com os tricolores. Pelo regulamento do Campeonato Brasileiro, caberia ao clube mandante, no caso o Flamengo, 90% dos bilhetes.