No embate entre o jogo coletivo do Botafogo e os valores individuais do Fluminense, melhor para o time tricolor. Foi uma vitória ampla, incontestável, de virada, e com vários pontos de exclamação. Fred, Deco, Thiago Neves e Rafael Sóbis brilharam intensamente e conduziram sua equipe a um sonoro 4 a 1, neste domingo, no Engenhão, que deixa o Flu com uma vantagem absurda para a segunda partida final do Campeonato Carioca, daqui a uma semana. Com direito a gol de bicicleta de Fred e dois belos tentos de Sóbis.

Além de perder uma invencibilidade de 22 jogos no ano, o Botafogo agora precisa vencer os rivais por quatro gols de diferença, no próximo domingo, se quiser erguer a taça de campeão.

O elenco do Fluminense, mais do que colocar a mão no caneco, ganha muita confiança para o jogo de quinta-feira, contra o Internacional, pela Libertadores, quando precisa vencer para avançar às quartas de final. A preocupar, apenas a saída de Thiago Neves, que pareceu sentir novamente a lesão no tornozelo esquerdo.

“(O campeonato) ainda não acabou. Futebol já vi muita coisa. Já vi vantagens maior do que essa serem revertidas”, disse Deco, o maestro do meio de campo tricolor.

“Jamais (vamos nos entregar). Tomamos um gol depois que ficamos com um a menos”, disse o zagueiro Antônio Carlos, em referência à expulsão de Lucas, no segundo tempo, que contribuiu para a supremacia tricolor na metade final.

Nos minutos iniciais, o Botafogo mostrou todas as suas qualidades. Velocidade na saída de jogo, troca rápida e precisa de passes e boa movimentação ofensiva. O gol de Renato, aos nove minutos, representou o domínio botafoguense até então.

Fellype Gabriel aproveitou a falha de Edinho e cruzou. No rebote da zaga, Renato emendou de primeira e deu sorte quando a bola passou por entre as pernas de Carlinhos e entrou no canto direito de Diego Cavalieri.

Mas ao assumir a vantagem, o Botafogo jogou todas as suas virtudes pela janela. Abdicou de jogar e entregou de mão beijada o domínio territorial ao Flu. A pressão aumentou até Fred aparecer. E com estilo. Assistência de Thiago Neves e o artilheiro acertou uma bonita bicicleta, pouco antes do intervalo.

Foram necessários poucos minutos no segundo tempo para o Fluminense tomar controle do jogo. Aos 11, Lucas fez falta por trás em Neves e foi merecidamente expulso com o segundo amarelo. Na sequência, Deco encontrou Rafael Sóbis livre na área: 2 a 1.

O Botafogo decidiu se lançar à frente, mas os erros de posicionamento defensivo e a qualidade individual dos atros tricolores resultaram em desvantagem ainda maior. Thiago Neves lançou Sóbis em profundidade. O atacante driblou Jefferson e conseguiu finalizar quase sem ângulo.

Na tentativa de diminuir o prejuízo, Oswaldo de Oliveira lançou mão de Herrera e Caio, mas foi conservador ao sacar do time Loco Abreu e Elkeson. Não se pode culpá-lo, porém, pelas fracas opções do elenco alvinegro.

O panorama se manteve e o jovem Marcos Júnior, que entrara em lugar de Thiago Neves, deixou o dele em boa trama ofensiva iniciada por Deco e após a assistência de Fred.

FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE 4 X 1 BOTAFOGO

FLUMINENSE – Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Edinho, Jean e Deco (Wagner); Thiago Neves (Marcos Júnior), Rafael Sóbis e Fred (Rafael Moura). Técnico – Abel Braga.

BOTAFOGO – Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Renato, Elkeson (Caio), Fellype Gabriel e Maicosuel (Jadson); Loco Abreu (Herrera). Técnico – Oswaldo de Oliveira.

GOLS – Renato, aos 9, e Fred, aos 44 minutos do primeiro tempo. Rafael Sóbis, aos 12 e aos 20, e Marcos Junior, aos 39 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Luis Antônio Silva Santos.

CARTÕES AMARELOS – Rafael Sóbis e Leandro Euzébio.

CARTÃO VERMELHO – Lucas.

RENDA – R$ 732.015,00.

PÚBLICO – 28.182 presentes.

LOCAL – Estádio João Havelange (Engenhão), no Rio.