Após incidentes no clássico entre Corinthians e São Paulo no último domingo, no Morumbi, a Federação Paulista de Futebol (FPF) proibiu a entrada, nos estádios de futebol, de uniformes ou objetos que identifiquem os torcedores associados com a Gaviões da Fiel, a principal torcida organizada do clube alvinegro. Bombas caseiras arremessadas e assentos quebrados são alguns dos motivos apontados.

A resolução foi publicada nesta quarta-feira e se baseia em um documento encaminhado pela Polícia Militar que relata “envolvimento de membros da torcida uniformizada ‘Grêmio Gaviões da Fiel’ em ocorrência de arremesso de bombas caseiras e baqueta de instrumento musical, de dano ao patrimônio privado (assentos danificados) e de distribuição de folhetos com letras de cânticos provocativos e ofensivos à torcida adversária”, na semifinal do Campeonato Paulista, no último domingo.

A suspensão, determinada pelo presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, entra em vigor de imediato e vale “até a devida apuração de responsabilidade dos fatos em análise, por esta entidade (PM)”.

Além da punição relativa à torcida organizada, a resolução da Federação Paulista de Futebol proíbe a entrada nos estádios de futebol por 90 dias do torcedor Marcos Sérgio da Silva, enquadrado no artigo 41-B do Estatuto da Defesa do Torcedor (promover tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos).

A Gaviões da Fiel já havia sido suspensa em março de 2012, junto com a principal organizada do Palmeiras (Mancha Verde), após a morte do torcedor André Alves Lezo, de 21 anos, ferido na cabeça por disparo de arma de fogo em confronto de supostos integrantes das duas torcidas na avenida Inajar de Souza, na Freguesia do Ó. Em maio do mesmo ano, um pedido de extinção da maior torcida organizada do Corinthians, feito pelo Ministério Público de São Paulo, foi negado pela Justiça.