Nunca na história das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo uma equipe reverteu uma desvantagem de dois gols num jogo de volta de um playoff. Campeã do mundo em 1998, a França precisa quebrar este tabu para estar no Mundial do ano que vem, no Brasil. Nesta terça-feira, encara a Ucrânia precisando vencer por três gols de diferença em Paris, depois de perder de 2 a 0 em Kiev.

“Temos de dar tudo de nós para fazer uma grande exibição e seguir em frente. Temos de incluir a necessária dose de talento e criatividade para dar a volta. Fomos surpreendidos por uma equipe que jogou no seu melhor, enquanto nós fizemos apenas uma exibição mediana”, comentou o técnico francês Didier Deschamps.

Para o treinador, o confronto no Stade de France será aberto. “A Ucrânia não vai alterar a sua maneira de jogar aqui (na França). Jogaremos contra uma equipe que joga aberto e que gosta disso”, indicou.

Deschamps terá problemas para montar a zaga porque Koscielny está suspenso e Varane é dúvida. Os dois atuam pela lado direito da defesa e as únicas opções disponíveis são Sakho e Abidal, que jogam pela esquerda. O treinador acenou com a possibilidade de deslocar o lateral direito Sagna para a zaga.

Mais na frente, Valbuena poderá substituir Nasri, enquanto Benzema deve entrar para o lugar de Loïc Rémy. Ribéry é nome certo, mas não quer ser protagonista. “Não estou sozinho em campo”, comentou o jogador, um dos favoritos a ser eleito o melhor de 2013. “Confio nos meus companheiros para ajudar e faremos juntos a diferença. Acredito que poderemos conseguir.”