Apesar de a cidade de Criciúma estar entre as mais atingidas pelo ataques de violência que ocorrem em Santa Catarina, a Polícia Militar garante que a partida de amanhã não está ameaçada. No entanto, haverá um esquema especial de segurança. Até por que, a expectativa é que o estádio Heriberto Hülse receba lotação máxima, beirando os 20 mil torcedores. Por isso, a PM ampliou para 80 o número de policiais que atuará no jogo que tanto pode garantir o acesso do Atlético quanto dos donos da casa.

Segundo o comandante da Polícia Militar de Criciúma, tenente-coronel Márcio Cabral, também há preocupação com os cerca de 1.500 atleticanos que irão se deslocar de Curitiba até a cidade catarinense. Isso acarretou na ampliação da área dedicada aos visitantes no Heriberto Hülse. Normalmente, o estádio comporta 750 torcedores dos times rivais. Amanhã, o espaço será ampliado para 1.500. A PM também alerta que fará monitoramento intensivo dos rubro-negros, principalmente dos integrantes de torcidas organizadas.

A onda de ataques em Santa Catarina já atinge dez cidades do Estado – Florianópolis, São José, Palhoça, Tijucas, Gaspar, Navegantes, Itajaí, Blumenau, Criciúma e Balneário Camboriú. Os atos de violência paralisaram o transporte coletivo em algumas regiões e levou a PM a colocar barreiras em vários pontos da BR-101, que é a principal ligação com o Paraná. No entanto, por ordem do governador Raimundo Colombo (DEM) nenhum evento que envolva aglomeração de pessoas foi cancelado. “Teremos um atendimento especial a esses eventos. Já nos reunimos com serviço de inteligência das polícias e traçamos estratégias para a segurança dessas pessoas”, afirmou o governador (Com informações da Folhapress.).