Foto: Valquir Aureliano
Jovens como o volante Kléber Lapa têm mais uma chance de mostrar serviço. Quem não for aprovado pode dizer adeus.

Em ritmo de vestibular, os garotos do Paraná Clube fazem hoje a ?prova final? frente ao Londrina, às 16h, no Estádio do Café. A partir da próxima rodada, o time A entra em cena e boa parte do grupo utilizado nessas duas primeiras rodadas não será aproveitada pelo técnico Saulo de Freitas, nesta temporada. Na base do tudo ou nada, os meninos tentam um lugar ao sol. Poucos ficarão, alguns retornarão ao time de juniores e outros tantos terão que buscar novos horizontes.

A política do clube é não inchar o seu elenco principal. Assim, não adotará saídas paternalistas para ?acomodar situações?. Já neste início de semana, com o retorno da equipe de juniores que disputou a Copa São Paulo da categoria, a diretoria se reúne para definir quem fica e quem sai. É nesse clima – mas sem pressão, segundo os próprios jogadores – que o Tricolor corre atrás de sua primeira vitória neste Campeonato Paranaense. Após o empate na estréia, o auxiliar-técnico Fernando Tonet quer ?passar o bastão? para Saulo com quatro pontos na conta.

?Para esse jogo, já aumentei o nível de cobrança. Afinal, não há mais a ansiedade pela estréia?, analisou Fernando Tonet. O treinador bateu basicamente em dois pontos, tirando por base os deslizes cometidos frente ao Iguaçu. ?O time perdeu muito a segunda bola. Erros de passes que não podem se repetir?, sentenciou. Outro aspecto que mereceu atenção especial da comissão técnica é o fraco aproveitamento do time em lances de bola parada. ?Tivemos catorze escanteios e não produzimos uma jogada de perigo. E olha que isso foi muito trabalhado durante todo o período de preparação?, lembrou Tonet.

O treino de ontem pela manhã foi basicamente dedicado a cobranças de faltas e escanteios. Independentemente das correções, Fernando Tonet não antecipou o time. Ainda aguarda uma última avaliação do meia Bruno Iotti – que sentiu dores na coxa esquerda – e admitiu ter uma grande dúvida no ataque. Ou lançar mão de dois atletas de maior porte físico, pensando justamente nas bolas paradas, ou escalar Léo Neves e partir para um jogo de velocidade, nos contra-ataques.

Na questão do meio-de-campo, Iotti seguiu com a delegação e faz um teste momentos antes do jogo. Porém, o próprio Tonet admite que deverá iniciar a partida com Thiaguinho. ?Podemos até perder um pouco na criatividade, mas ganharemos no poder de marcação e na dinâmica?, analisou. No treino de ontem, a dupla de ataque foi formada por Rafael e Robson. Assim, o time teria maior presença de área, aproveitando o estilo de jogo de Robson, artilheiro do time no último Estadual, com dez gols. ?Vou pensar bem na melhor estratégia, a partir daquilo que o Londrina vai colocar em campo?, finalizou Tonet.

Destaque na estréia, Pimpão largou faculdade de Odontologia pelo futebol

Foto: Valquir Aureliano

Meia, que veio do futsal, deixou carreira de dentista para depois. ?Quero jogar como profissional?, diz o fã de Kaká.

O meia Rodrigo Pimpão, agora titular do meio-de-campo, espera realizar hoje, em Londrina, o ?jogo de sua vida?. Sabe que uma boa atuação -como nos 45 minutos finais do jogo de quarta-feira – pode representar passaporte para o grupo principal, que retorna hoje à noite da pré-temporada em Santa Catarina. Com dinamismo, o garoto de 20 anos transformou o time no jogo frente ao Iguaçu, infernizando a cansada zaga adversária e sofrendo a falta que originou o gol de empate, marcado por Bruno Iotti.

Rodrigo Pimpão abandonou -a princípio momentaneamente – o desejo de seguir os passos do irmão, Gustavo, como dentista. Tudo pelo sonho de ser um jogador profissional de destaque. Após uma passagem pelo futsal do Tricolor, foi para o peneirão do futebol de campo, em julho passado. Aprovado, trancou a faculdade de Odontologia na PUCPR, após dois anos e meio de curso. ?Não dava para conciliar. Um dia pretendo retornar, mas agora quero me dedicar integralmente ao futebol?, disse o meia.

Este não é o primeiro contato do atleta com o futebol de campo. Em Canoinhas-SC, participou do ?moleque bom de bola?, jogando no campo e no salão. ?Acho que isso me ajudou nessa transição. Não senti muita diferença e acho que estou adaptado ao gramado?, analisou Pimpão. As lições aprendidas no futsal, no seu entender, também contribuíram nesse início de carreira como jogador profissional. ?Ganhei muita agilidade. No salão, você tem que pensar rápido e tem que resolver tudo em um espaço pequeno. Também melhorei meu condicionamento físico, pois você tem que correr a quadra inteira, o tempo todo?.

Com contrato até o fim do ano, Pimpão sonha em emplacar com a camisa do Paraná Clube, já visando saltos mais altos na carreira. ?Me espelho no Kaká, que não é por acaso o melhor do mundo?, afirmou. O jogo desta tarde pode ser o primeiro passo concreto de Pimpão para a realização de uma meta maior. ?Com muita tranqüilidade e muito trabalho, vou atrás desse objetivo?, concluiu.

Time principal volta baleado da pré-temporada

O grupo principal do Paraná Clube retorna hoje à noite de São Bento do Sul, onde realizou a sua pré-temporada. A partir de amanhã, o técnico Saulo de Freitas faz os últimos retoques na equipe visando o jogo contra o Toledo, no

meio de semana. A rigor, o ?novo? Tricolor não estará completo. Além do zagueiro Luís Henrique, que se lesionou na última sexta-feira, o treinador ainda não conta com o goleiro Gabriel e o atacante Leonardo, também machucados.

A novidade para o treino de amanhã fica por conta da reintegração do meia Joelson. O jogador esteve a pique de ser negociado com o Vasco, mas a transação não evoluiu e a diretoria decidiu pela utilização do atleta nas disputas do Paranaense e da Copa do Brasil. Joelson terá, assim, a chance de recuperar sua imagem junto à torcida tricolor. O meia, que chegou ao clube com status de craque, perdeu crédito após sucessivas denúncias de exageros nas ?noitadas?.

Joelson fez um bom Brasileiro da Série B pelo Avaí e desde a última semana já retomou treinamentos na Vila Capanema. A partir de amanhã, volta a trabalhar com o grupo. Outro que pode seguir o mesmo caminho do meia é o zagueiro Daniel Marques. A temporada passada do atleta não foi nem sombra daquilo que realizara no clube em 2005. ?Vamos conversar. Queremos um grupo fechado e comprometido com os nossos objetivos. Quem estiver de acordo com a filosofia, fica. Senão, vaza?, resumiu o vice
de futebol Durval Lara Ribeiro. (IC)

Londrina reencontra Cafezão maquiado

O Londrina volta, após longo tempo, a jogar no Estádio do Café. O Vitorino Gonçalves Dias, local usado pelo Tubarão nos últimos anos, foi reprovado na vistoria da Federação Paranaense por causa de problemas estruturais. Às pressas, clube e Prefeitura fizeram uma ?limpeza? no Café, para deixá-lo em condições de receber partidas. Por enquanto, só jogos à tarde, porque as instalações elétricas estão em péssimo estado.

Em campo, o técnico Jorge Saran não poderá contar com o meia César Santos, que foi expulso na estréia do Londrina no Paranaense, no empate em 3×3 com o Cianorte. Como o adversário é o Paraná Clube, é possível que Saran coloque o time mais cauteloso, escalando na vaga aberta o volante Peu ou mesmo o zagueiro Rafael Tavares. O também zagueiro Neto está em recuperação de uma pancada no joelho esquerdo e deve jogar. (IC)

CAMPEONATO PARANAENSE

1ª FASE – 2ª RODADA

LONDRINA x PARANÁ CLUBE

Londrina

Júnior; Alison, Senegal, Neto e Alex Braz; Oliveira, Lau, Peu (Rafael Tavares) e Diego Mineiro; Nem e Rafael Akai.

Técnico: Jorge Saran

Paraná Clube

Luís Carlos; Araújo, Ricardo Ehle, Douglas Henrique e Anderson; Kleber Lapa, Jamaika, Bruno Iotti (Thiaguinho); Rafael (Léo Neves) e Robson.

Técnico: Fernando Tonet.

SÚMULA

Local: Estádio do Café (Londrina).

Horário: 16h.

Árbitro: José Ricardo Bigaski Stolle.

Assistentes: Lídio dos Santos e Ubiratã Ferrari de Lima.