Para enfrentar o Londrina, amanhã à noite, na Arena, Geninho levará a campo a equipe que considera a mais encorpada no atual estágio atleticano, com exceção do ataque, que estará desfalcado do artilheiro Rafael Moura -suspenso pela expulsão contra o Iraty.

Após a fase de experimentações na competição estadual e a posterior classificação à segunda fase da Copa do Brasil, o treinador comentou que ainda há indefinição em algumas posições (ataque e laterais), porém o momento é para dar entrosamento ao grupo considerado titular.

“As observações ficam de lado. Agora é tentar manter uma equipe e dar ritmo. Mas ainda preciso de um encaixe ideal para o ataque. Quanto às laterais, espero o retorno de Nei (que já está treinando com o grupo) e quero ver como volta o Netinho”, comentou o comandante rubro-negro.

Ontem, o Furacão retornou de Tocantins para Curitiba, após a boa vitória contra a equipe local. No entanto, a delegação fez uma escala em São Paulo para providenciar o visto na embaixada americana para poder atuar no desafio internacional contra o FC Dallas, marcado para o próximo dia 14. Quem participará desse amistoso ainda é uma incógnita.

Disputa

Diante das dúvidas que tem na formação do grupo titular – no ataque e laterais – Geninho comentou que alguns atletas estão em vantagem na disputa pelas vagas. No ataque, a boa movimentação e o gol assinalado em Palmas, deram um novo alento para Júlio César.

O atacante está em alta com o treinador, mas tem que mostrar mais futebol do que tem apresentado para ser o companheiro de Rafael Moura. “O Júlio subiu de produção e isso é bom para ele”, analisou Geninho.

Sobre a possibilidade de ganhar a disputa por uma vaga no ataque com Lima, Jorge Preá e Wallyson, o pernambucano afirmou que isso depende da escolha do treinador e que Geninho conhece o suficiente para saber o que ele pode render para o clube.

“Atacante vive de gols e gerava insatisfação na torcida a falta deles. Não adiantava jogar bem, como foi contra o Paraná. A torcida quer gols. Agora é continuar trabalhando e ficar à disposição do treinador”, explicou Júlio César.

Lados

Na ala esquerda, Netinho recuperou a confiança própria e também a do técnico e deverá ocupar a posição. “Se eu tivesse desanimado eu não conseguiria. Tive força, a cabeça no lugar e o apoio de familiares e de meus companheiros. Eu continuo trabalhando, às vezes um pouco mais do que os outros para buscar essa posição de titular. Agora é manter essa sequência. Eu quero fazer história aqui no Atlético e jogando”, afirmou.

Na ala direita, o treinador comentou que vai esperar a recuperação de Nei para ter uma noção completa do que pode esperar para aquele setor. Com a contusão de Alberto, a improvisação com Zé Antônio será mantida.