Um compromisso com um de seus patrocinadores tirou Giba dos confrontos contra os Estados Unidos pela Liga Mundial, realizados no último fim de semana, em Belo Horizonte. Agora, ele já retomou a rotina de treinamentos com a seleção brasileira masculina de vôlei e se coloca à disposição do técnico Bernardinho para jogar no sábado e domingo, diante de Porto Rico, em São Paulo.

“Era algo que estava marcado há uns seis meses, por isso não tive como jogar. Mas continuei treinando e agora volto para ficar até o fim da Liga Mundial”, disse o ponteiro, um dos jogadores mais experientes da seleção brasileira.

Reserva na conquista do Mundial da Itália, no ano passado, Giba retomou a posição de titular neste início de temporada com a seleção brasileira. No entanto, ele sabe que não tem garantida a sua permanência em quadra durante todos os jogos.

“Neste grupo do Bernardinho, o revezamento é normal e a disputa por posição sempre foi muito saudável. Por isso chegamos onde chegamos. Temos um elenco completo sem nenhum tipo de vaidade”, declarou o jogador de 34 anos.

Sobre o desempenho do Brasil no primeiro turno da Liga Mundial, Giba reconheceu que, apesar das cinco vitórias e apenas uma derrota, o rendimento ainda não é o esperado. “Isso é normal, afinal, tivemos pouco tempo de treinamento entre o fim da Superliga e o começo da Liga Mundial (foram cerca de duas semanas). Mas, aos poucos, vamos encontrar nosso melhor jogo”, afirmou o jogador.