No gabinete, Requião deseja
boa sorte às seleções.

O governador Roberto Requião anunciou ontem que o governo do Estado vai dar todo o apoio necessário aos atletas das seleções brasileiras masculina e feminina de ginástica olímpica. Os atletas, que estão treinando em Curitiba desde janeiro no Centro de Capacitação Esportiva do Estado, vão contar também, segundo Requião, com toda a estrutura do Estado para os treinos.

De acordo com o governador, as duas equipes podem utilizar, à vontade, todos os espaços físicos de que o Estado dispõem, pois a equipe pode se tornar um espelho para a juventude do Paraná. Segundo ele, uma das prioridades do governo do Paraná é justamente o incentivo à prática de esportes, principalmente para os alunos da rede estadual de ensino e para os atletas de baixa renda.

Os doze integrantes das duas seleções foram recebidos pelo governador Roberto Requião e pelo presidente da Paraná Esporte, Ricardo Gomyde. Segundo Gomyde, um dos projetos que a Paraná Esporte está desenvolvendo é criação de núcleos de ginástica olímpica em todo o Estado.

Preparados

Os ginastas da seleção brasileira estão concentrados em Curitiba desde janeiro, onde se preparam para o pan de Santo Domingo, para onde as equipes embarcam segunda-feira.

Logo após o pan, os atletas embarcam para Los Angeles, nos EUA, onde participam, entre os dias 15 e 24 de agosto, do Campeonato Mundial de Ginástica Olímpica, onde estará em jogo a classificação de toda a equipe brasileira para as Olimpíadas de Atenas.

Um dos destaques da equipe paranaense é Camila Comin, medalha de bronze por equipe no pan de Winnipeg e uma das duas representantes do Brasil nas Olimpíadas de Sydney/2000, ao lado de Daniele Hypólito.

A presidente da Confederação Brasileira de Ginástica Olímpica, Vicélia Florenzano, disse que os atletas brasileiros estão muito bem preparados para as duas competições. “Hoje o Brasil já não é mais um mero participante nas disputas das ginástica olímpica. Nós já conquistamos o nosso espaço no cenário mundial”, declarou.

Ela explicou que nos últimos oito anos o Brasil passou de 28.º para 11.º lugar. “No último mundial de equipes, realizado em 2001, na Bélgica, conquistamos o 11.º lugar”, afirmou.