A campanha do Internacional rumo ao bicampeonato da Copa Libertadores mostra que a conquista veio graças à qualidade do elenco colorado. Mas um jogador em especial impressionou por suas atuações decisivas, na maioria das vezes vindo do banco: o meia Giuliano, que foi escolhido pelos companheiros como o destaque da competição.

“O Giuliano é o craque da Libertadores”, não hesitou em afirmar o atacante Alecsandro, que ficou de fora da grande final, nesta quarta-feira à noite, na vitória por 3 a 2 sobre o Chivas, por lesão. “O que este homem jogou é brincadeira. Qualquer outra escolha da Conmebol é uma injustiça.”

Giuliano terminou como artilheiro do Inter na Libertadores, com seis gols, apenas dois atrás do maior goleador da competição (Thiago Ribeiro, do Cruzeiro). Mais que isso, eles foram decisivos. O meia marcou nos últimos três confrontos eliminatórios, anotando um nas quartas de final contra o Estudiantes, outro diante do São Paulo e mais um em cada jogo diante do Chivas – incluindo um belo gol nesta quarta, no Beira-Rio.

Apesar da importância para o título, Giuliano não deixou o sucesso subir à cabeça após a conquista. “Não tinha expectativa nenhuma. Qualquer decisão sobre o melhor (da Libertadores) é apenas consequência do meu trabalho”, comentou. De origem humilde, o jogador dedicou o triunfo para a sua mãe Tarsília.

“Esse título é para minha mãe. Estou muito feliz”, disse o atleta de 20 anos. “Só eu, minha mãe e meus irmãos sabemos o quanto foi difícil chegar aqui”, concluiu o meia.