O segundo dia da Copa do Mundo foi marcado por dois confrontos equilibrados e por uma goleada histórica. Em Niigata, a Irlanda chegou a ser superior que Camarões, mas a partida acabou empatada em 1 a 1. O outro jogo do grupo E foi a terceira maior goleada da história das Copas – sem problema algum, a Alemanha trucidou a Arábia Saudita por 8 a 0 em Sapporo. E na partida que completou a rodada do grupo A, a Dinamarca foi melhor taticamente que o Uruguai e venceu por 2 a 1, em Ulsan – no mesmo estádio em que o Brasil estréia amanhã de manhã.

O pragmático futebol da Irlanda conseguiu brecar o ímpeto africano de Camarões em jogo que abriu a disputa do Grupo E da Copa do Mundo. O gol camaronês foi marcado por Mboma, aos 38 min do primeiro tempo. Do lado irlandês, o meia Holland empatou a partida aos 7 min do segundo tempo com um chute de fora da área no canto direito do goleiro Boukar. Melhor na segunda etapa, a Irlanda chegou a acertar a trave camaronesa no final do jogo, num arremate de Robbie Keane.

Em Sapporo, no moderníssimo (e caro: custou 500 milhões de dólares) Sapporo Dome, a Alemanha não teve a menor dificuldade para golear a ingênua seleção da Arábia Saudita por 8 a 0. O destaque foi o artilheiro da Copa, o atacante Miroslav Klose, que marcou três gols – todos de cabeça. Por sinal, foram cinco gols surgidos de bolas alçadas à área – além de Klose, Michael Ballack e Thomas Linke marcaram em certeiras cabeçadas. Carsten Jancker, Oliver Bierhoff e Bernd Schneider completaram o placar. Na segunda rodada, a Irlanda enfrenta a Alemanha, em Ibaraki, às 8h30 (horário de Brasília), enquanto Camarões joga com a Arábia Saudita em Saitama, às 6h00 (horário de Brasília).

Fechando o grupo A, a Dinamarca venceu o Uruguai por 2 a 1, em Ulsan, no complemento da primeira rodada do Grupo A da Copa do Mundo. Com o resultado, os dinamarqueses igualaram-se no primeiro lugar a Senegal, justamente seu próximo adversário, quinta-feira, em Daegu. O Uruguai fará com a França, no mesmo dia, em Busan, um duelo de times proibidos de perder. Jon-Dahl Tomasson foi o destaque do jogo marcando dois gols, enquanto Darío Rodriguez descontou para o uruguaios, que centralizaram em demasia seus ataques, dando espaços para os pontas Gudjohnsen e Joergensen, que fizeram as jogadas dos gols de Tomasson. Os jogos da segunda rodada serão na quinta: Dinamarca x Senegal, em Daegu, às 3h30; e França x Uruguai, em Busan, às 8h30.

Descendentes comemoram com chope

Lawrence Manoel

Sieg, é assim que se fala vitória em alemão. A colônia alemã em Curitiba pode comemorar muito a primeira Sieg de sua seleção na Copa do Mundo do Japão de da Coréia do Sul. Reunidos desde as primeiras horas da manhã no Bar do Alemão, Largo da Ordem, centro histórico de Curitiba, a colônia presenciou a incontestável vitória alemã por 8 a 0 contra a seleção da Arábia Saudita. Além de um bom início no mundial, a vitória marcou a maior goleada já feita pela seleção alemã na história das copas. Com esse resultado, os germânicos assumiram a primeira colocação no grupo E, além de já terem o artilheiro do mundial, Klose, autor de três gols.

Para comemorar o bombardeio aéreo contra os sauditas feito direto de Sapporo no Japão, os descendentes de alemães de Curitiba realizaram um verdadeiro banquete no café da manhã. Mesmo com o horário matutino, o chope foi em grande quantidade, tomados em gigantescos copos com capacidade para 3 litros cada.

Embora a Alemanha tenha se classificado para o mundial somente na repescagem das eliminatórias européias, a confiança dos descentes em Curitiba era grande. João Luiz Quearis de Almeida, ou Johans Ludwig como é chamado pelos alemães, pertence à 2.ª geração de descendentes germânicos. Antes do jogo ele dizia que a Alemanha teria um bom resultado devido ao aguerimento de seus atletas. “O jogo foi um passeio. Deve motivar ainda mais a seleção para os próximos jogos”, disse após a partida. Todavia, Ludwig confessa que torceria para o Brasil num eventual confronto com os alemães.

A opinião não é compartilhada por Vítor Schaffer, 19 anos. Ele disse que torce para a Alemanha em qualquer circunstância. “Tivemos dificuldades para nos classificar, mas na copa a Alemanha sempre cresce. Com essa goleada estamos no caminho do tetra (a lemanha foi campeã em 1954, 74 e 90)”, afirmou Schaffer, trajado tipicamente. Também a rigor, Tiago Hass, 14 anos, mostrava-se otimista. “Quanto ao jogo não tem nem o que comentar. Os oito a zero dizem tudo”, falou, garantindo que numa final com o Brasil, seu coração pende mais para o lado alemão.

Antes do início da partida, Otto Hildebrando Doetzer, mostrava-se desconfiado com a seleção alemã. Para ele, o tetra campeonato é um sonho difícil de ser alcançado. Mesmo com a retumbante goleada, a posição de Doetzer não mudou muito ao final da partida. “O time da Arábia é muito fraco. Precisamos jogar com um adversário mais difícil para podermos testar a seleção”, disse.