As obras do estádio Castelão, em Fortaleza, estão paradas há dez dias. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem (Sintepav-CE), as negociações com o Consórcio responsável não avançaram, por isso os operários vão continuar em greve. A assessoria de imprensa do Sindicato informou que na segunda-feira (16/04) a entidade fará uma assembleia com os trabalhadores.

“Enquanto isso, estamos aguardando a manifestação das empresas. Não temos muito a fazer, quando em cada visita feita à obra, ouvimos uma série de reclamações por parte dos trabalhadores”, informa o presidente do Sintepav, Raimundo Nonato Gomes. Ele disse que a paralisação das obras acontece porque está sendo descumprido o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) firmado ano passado entre Consórcio e o Sintepav. O acordo foi quebrado por empresas subcontratadas responsáveis por cerca de 50% dos trabalhadores da obra.

Os servidores reivindicam um salário base igual para os trabalhadores dos 12 estádios da Copa do Mundo. “Reivindicamos a pauta nacional, que inclui o salário unificado dos trabalhadores. Houve descumprimento do acordo porque algumas empresas pagaram o valor único e outras não”, explica o presidente do Sintepav, Raimundo Nonato.

O secretário especial da Copa no Ceará, Ferruccio Feitosa, acredita que a paralisação não comprometerá o cronograma até 2014. Isso porque, apesar da greve, as obras do Castelão são as mais adiantadas entre os 12 estádios que sediarão a competição. Mas ele está preocupado com a promessa de liberar o Castelão para os jogos do Campeonato Cearense de 2013, pois havia prometido entregar tudo pronto até o final deste ano. O prolongamento da greve, segundo o consórcio, poderá prejudicar o cumprimento desse marco.