A greve no transporte público de Curitiba atrapalhou o andamento das obras na Arena da Baixada, segundo informou o coordenador geral da Copa no Paraná, Mário Celso Cunha, em entrevista ao Paraná Online, na tarde desta quarta-feira (26).

Porém, segundo o dirigente, muitos trabalhadores procuraram outras alternativas para chegar ao trabalho. “Esse fato é claro que atrapalha, cerca de 64% dos funcionários não apareceram. Entretanto, outros operários foram trabalhar de bicicleta ou conseguiram carona”, afirmou o coordenador.

De acordo com Cunha, muitos trabalhadores também moram próximos ao estádio do Atlético. “É o caso dos haitianos que moram nos alojamentos ali próximo e sempre vão de a pé até o local”, ressaltou o coordenador.

As obras na Arena da Baixada seguem a todo vapor. Nos próximos dias, a CAP S/A, empresa que faz a gestão das obras no estádio, deverá receber a última parcela referente ao financiamento de R$ 131,1 milhões do contrato com o BNDES.